MPF: Eike pagou US$ 16,5 milhões em propina a Cabral em conta no Uruguai

Na petição da Operação Eficiência, nova fase da Lava Jato deflagrada nesta quinta-feira, 26, o Ministério Público Federal (MPF) afirma que o empresário Eike Batista repassou US$ 16,5 milhões em propina para o ex-governador Sérgio Cabral numa conta no Uruguai em nome de laranjas; "De maneira sofisticada e reiterada, Eike Batista utiliza a simulação de negócios jurídicos para o pagamento e posterior ocultação de valores ilícitos, o que comprova a necessidade da sua prisão para a garantia da ordem pública", afirmam os procuradores; Eike Batista é suspeito de envolvimento em um esquema de corrupção e lavagem de dinheiro com a ocultação de cerca de US$ 100 milhões no exterior; vídeo do canal Notícias Comentadas

Sergio Cabral e Eike Batista 
Sergio Cabral e Eike Batista  (Foto: Aquiles Lins)

Rio 247 - Na petição da Operação Eficiência, nova fase da Lava Jato deflagrada nesta quinta-feira, 26, o Ministério Público Federal (MPF) afirma que o empresário Eike Batista repassou US$ 16,5 milhões em propina para o ex-governador Sérgio Cabral numa conta no Uruguai em nome de laranjas.

"De maneira sofisticada e reiterada, Eike Batista utiliza a simulação de negócios jurídicos para o pagamento e posterior ocultação de valores ilícitos, o que comprova a necessidade da sua prisão para a garantia da ordem pública", afirmam os nove procuradores corresponsáveis pela Operação.

Um dos principais alvos da operação Eficiência, Eike Batista teve a prisão preventiva decretada. Ele é suspeito de envolvimento em um esquema de corrupção e lavagem de dinheiro com a ocultação de cerca de US$ 100 milhões no exterior.

Segundo o MPF, Eike Batista e o empresário Flávio Godinho, atual vice-presidente do Flamengo e preso na operação usaram a conta Golden Rock no TAG Bank, no Panamá, para repassar propina solicitada por Cabral em 2010.

"Para dar aparência de legalidade à operação foi realizado em 2011 um contrato de fachada entre a empresa Centennial Asset Mining Fuind Llc, holding de Batista, e a empresa Arcadia Associados, por uma falsa intermediação na compra e venda de uma mina de ouro", diz o MPF.

Leia mais sobre a operação Eficiência. 

Vídeo do canal Notícias Comentadas.

Conheça a TV 247

Mais de Sudeste

Ao vivo na TV 247 Youtube 247