MST negocia com Incra reforma agrária no Rio

Movimento est acampado em frente sede do rgo, no Centro da cidade; negociaes acontecem nesta tarde; lderes querem respostas concretas para famlias do estado; movimento realizou manifestaes em outras capitais

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência Brasil - Em mais um dia de manifestações pela reforma agrária no país, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) fez hoje (17) uma caminhada pelas principais vias da região central da capital fluminense. Os sem-terra seguiram até a sede do Tribunal de Justiça do estado, onde fizeram um ato para lembrar os 16 anos do Massacre de Eldorado dos Carajás, no Pará, que deixou 21 trabalhadores mortos.

A polícia acompanhou a manifestação, que foi pacífica. Os trabalhadores continuam acampados em frente à sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e a previsão do MST é que eles fiquem no local por pelo menos mais um dia.

Na tarde desta terça-feira, os líderes do MST no Rio de Janeiro voltam a negociar com o Incra a pauta de reivindicações. Para a coordenadora nacional do MST Amanda Matheus, o processo de reforma agrária no estado ainda é muito lento. Segundo ela, existem diversas famílias aguardando há mais de dez anos pelo direito à terra.

“Nós estamos exigindo do Incra resposta concreta relacionada aos processos que estão parados aqui no estado. A gente quer sair das negociações com pelo menos algumas metas e alguns compromissos [definidos]”, disse.

A Superintendência do Incra no Rio de Janeiro confirmou para hoje a reunião com o MST, mas alertou que, se houver alguma tentativa de ocupação do prédio, as negociações estarão suspensas.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email