HOME > Sudeste

Não é momento para reforma da Previdência, diz Lindbergh

Senador Lindbergh Farias (PT-RJ) disse que a proposta de uma reforma da Previdência pelo governo é inconveniente no atual momento de polarização política do país; "Tem que fazer a reforma. Mas, então, eu pergunto: é este o momento?", questionou; "Acho que só tem um caminho: é a reaproximação de Dilma com seu programa, o programa pelo qual ela foi eleita", observou; segundo ele, "Dilma vai ter juízo de que terá que estar junto às bases dela para fazer a economia crescer, recuperar empregos, temos que ter medidas de estímulo à economia";  "O governo só não muda se estiver completamente cego", completou

Plenário do Senado Federal durante sessão não deliberativa. Em pronunciamento, senador Lindbergh Farias (PT-RJ). Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado (Foto: Paulo Emílio)

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Agência Brasil - A proposta de uma reforma da Previdência pelo governo é inconveniente no atual momento de polarização política do país, disse o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) em entrevista ontem (8) ao programa Espaço Público, da TV Brasil.

Para o senador, a presidenta Dilma Rousseff estaria dando "um tiro no pé" ao pressionar uma agenda de reforma da Previdência no momento em que necessita consolidar o apoio a seu mandato com centrais sindicais e movimentos sociais, principal grupo de defesa nas ruas contra o processo de impeachment.

"Tem que fazer a reforma. Mas, então, eu pergunto: é este o momento?", questionou Lindbergh. "Acho que só tem um caminho: é a reaproximação de Dilma com seu programa, o programa pelo qual ela foi eleita."

Movimentos sindicais, liderados por entidades como a Central Única dos Trabalhadores (CUT), são um dos principais grupos que têm organizado manifestações contra o pedido de impeachment de Dilma, em análise no Congresso Nacional. Uma nova manifestação das centrais em defesa do mandato da presidenta está marcada para o dia 18 de março, uma semana após protestos agendados por grupos que pretendem ir às ruas em 13 de março para se manifestarem a favor do impedimento da presidenta.

Para as centrais sindicais, a reforma significará a perda de direitos previdenciários. "Como é que elas [centrais sindicais] vão defender a Dilma?", perguntou o senador. "Esse é o nosso maior esforço agora, dizer: olha, segura um pouco", acrescentou.

Há um esforço de lideranças do PT de convencer a presidenta a modificar a política econômica, em prol de maiores investimentos do governo com o objetivo de recuperar a economia e garantir a manutenção de empregos, disse o senador.

"Acho que Dilma vai ter juízo de que terá que estar junto às bases dela para fazer a economia crescer, recuperar empregos, temos que ter medidas de estímulo à economia", afirmou Lindbergh. "O governo só não muda se estiver completamente cego", completou.

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: