Nuzman minimiza atraso na entrega da Matriz para 2016

Presidente do Comit Olmpico Brasileiro (COB) e do Comit Organizador da Olimpada do Rio, Carlos Arthur Nuzman, disse que atraso nas obras no vai prejudicar a organizao do evento

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e do Comitê Organizador da Olimpíada do Rio, Carlos Arthur Nuzman, disse na manhã desta quinta-feira que o novo atraso do Brasil para entregar a Matriz de Responsabilidades ao Comitê Olímpico Internacional (COI) não irá prejudicar a organização do evento. Cobrado pela entidade, o documento detalha a participação de cada nível de governo (municipal, estadual ou federal) nas obras envolvendo os Jogos de 2016.

A Matriz de Responsabilidades deveria ter sido entregue nos últimos dois dias, durante visita de uma comitiva do COI ao Rio, mas não ficou pronta. Assim, o novo prazo de entrega foi marcado para março de 2012, quando a Comissão de Organização dos Jogos voltará ao Brasil.

"Tem de partir dos três governos e do Comitê Organizador. Cada um tem de fazer o seu trabalho. Um novo prazo foi marcado e agora vamos entregar em março. O importante é que estamos em dia com os preparativos e o COI está muito satisfeito", disse Nuzman que participou nesta quinta-feira da abertura da "IV Cúpula de Lausanne Rio 2011 - Encontro de Cidades Olímpicas e Paraolímpicas".

 

Na quarta-feira, o secretário de Estado da Casa Civil, Régis Fichtner, afirmou que prefeitura e governo do Rio cumpriram o combinado, mas ficou faltando a parte do governo federal, representada pela Autoridade Pública Olímpica, presidida por Márcio Fortes. O ex-ministro das Cidades - único representando da União no encontro com a comitiva do COI, já que ninguém do Ministério do Esporte compareceu - evitou falar com a imprensa nos dois dias de reuniões.

 

LEGADO - A "IV Cúpula de Lausanne Rio 2011" é organizada pela União Mundial das Cidades Olímpicas, criada por Atenas, na Grécia, e Lausanne, na Suíça. O prefeito da cidade suíça, Daniel Brélaz, afirmou que espera do Rio, entre as cidades que receberam ou sediarão os Jogos, o maior progresso. "A cidade tem problemas de segurança, sociais, e serão solucionados (pela Olimpíada). Talvez não todos, mas parte deles", disse Brélaz.

 

Apesar da presença de representantes de diversas cidades que já foram sede dos Jogos Olímpicos, como Cidade do México e Atlanta, não há representante grego no seminário, que termina nesta sexta-feira.

 

O prefeito do Rio, Eduardo Paes, que discursou em inglês, brincou com a visita da comitiva do COI durante os últimos dois dias para a realização de reuniões do Project Review (revisão de projeto). "É duro passá-los para trás. Tentamos, mas esses caras são duros", brincou o prefeito.

 

Ele também falou sobre o legado que os Jogos de 2016 deixarão para a cidade. "Não são os atletas que usarão os BRTs, é para o povo. A urbanização das favelas também não é para os atletas, mas para a população que mora ali", disse o prefeito do Rio.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email