CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Sudeste

Pezão defende aliança com PT até o fim do governo

Governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, também disse que, em jantar que reunirá representantes e parlamentares do PMDB nesta noite, será pedido apoio às medidas provisórias que estão no Congresso Nacional; "A gente ajudou a eleger, agora tem que ajudar a governar, como sempre o PMDB fez. Ainda mais tendo o vice-presidente. Sou favorável que se mantenha [a aliança]. Só quero que em 2018 a gente tenha candidato", afirmou

Governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, também disse que, em jantar que reunirá representantes e parlamentares do PMDB nesta noite, será pedido apoio às medidas provisórias que estão no Congresso Nacional; "A gente ajudou a eleger, agora tem que ajudar a governar, como sempre o PMDB fez. Ainda mais tendo o vice-presidente. Sou favorável que se mantenha [a aliança]. Só quero que em 2018 a gente tenha candidato", afirmou (Foto: Gisele Federicce)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Vinicius Lisboa - Repórter da Agência Brasil

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, defendeu que a aliança entre PMDB e PT continue até o final do governo da presidenta Dilma Rousseff e disse que, em jantar que reunirá representantes e parlamentares do partido na noite de hoje (10), será pedido apoio às medidas provisórias que estão no Congresso Nacional.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

"[Vamos] Pedir solidariedade. O PMDB é importante, está lá com Michel Temer, Paulo Hartung, os governadores todos. Para nos unirmos, conversarmos e ajudar o Brasil a crescer", disse o governador, que defendeu a aliança do partido com o governo. "A gente ajudou a eleger, agora tem que ajudar a governar, como sempre o PMDB fez. Ainda mais tendo o vice-presidente. Sou favorável que se mantenha [a aliança]. Só quero que em 2018 a gente tenha candidato".

Pezão participou na manhã de hoje de uma audiência pública para apresentar o projeto da ferrovia que ligará portos do Rio de Janeiro e Espírito Santo, na Associação Comercial do Rio de Janeiro.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O governador criticou as propostas de mudança na aposentadoria em discussão no Congresso Nacional, que estendem a regra de aumento do salário mínimo ao benefício, e disse que prejudicam o ajuste fiscal e só jogam o ônus do veto para a Presidência da República.

"Não adianta ficar falando em impeachment e ficar discutindo questões dentro do Congresso Nacional que infelizmente a gente tem visto. Algumas medidas sendo votadas botando o ônus para a presidenta vetar. Isso não ajuda. Mexer com aposentadoria hoje, que é o maior déficit dentro dos governos, só prejudica o ajuste dos estados, municípios e do governo."

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O governador defendeu que a presidenta Dilma Rousseff vete a alteração, argumentando que é preciso ter uma fonte de financiamento. "Sei que o aposentado lutou e contribuiu, mas onde arranja [esse recurso]?".

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO