Plenário do STF vai decidir sobre prisão de deputados da Alerj

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin enviou nesta quarta-feira (22) ao plenário da Corte a ação na qual a Procuradoria-Geral da República (PGR) pede a anulação da decisão da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) que revogou a prisão dos deputados Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi, todos do PMDB; com a decisão de Fachin, caberá à presidente do STF, Cármen Lúcia, marcar a data do julgamento; ação levará a Corte a decidir sobre o caso definitivamente, porque a Justiça Federal julgou a questão nessa terça-feira (21) e restabeleceu a prisão dos parlamentares

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin enviou nesta quarta-feira (22) ao plenário da Corte a ação na qual a Procuradoria-Geral da República (PGR) pede a anulação da decisão da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) que revogou a prisão dos deputados Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi, todos do PMDB; com a decisão de Fachin, caberá à presidente do STF, Cármen Lúcia, marcar a data do julgamento; ação levará a Corte a decidir sobre o caso definitivamente, porque a Justiça Federal julgou a questão nessa terça-feira (21) e restabeleceu a prisão dos parlamentares
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin enviou nesta quarta-feira (22) ao plenário da Corte a ação na qual a Procuradoria-Geral da República (PGR) pede a anulação da decisão da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) que revogou a prisão dos deputados Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi, todos do PMDB; com a decisão de Fachin, caberá à presidente do STF, Cármen Lúcia, marcar a data do julgamento; ação levará a Corte a decidir sobre o caso definitivamente, porque a Justiça Federal julgou a questão nessa terça-feira (21) e restabeleceu a prisão dos parlamentares (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência Brasil - O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin enviou hoje (22) ao plenário da Corte a ação na qual a Procuradoria-Geral da República (PGR) pede a anulação da decisão da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) que revogou a prisão dos deputados Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi, todos do PMDB.

Com a decisão de Fachin, caberá à presidente do STF, Cármen Lúcia, marcar a data do julgamento. A ação levará a Corte a decidir sobre o caso definitivamente, porque a Justiça Federal julgou a questão ontem (21) e restabeleceu a prisão dos parlamentares.

De acordo com a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, a Alerj descumpriu ilegalmente uma decisão judicial. Ainda segundo a procuradora-geral, a Casa Legislativa desrespeitou os princípios do devido processo legal e da separação dos Poderes.

Na tarde de ontem, os desembargadores do Tribunal Regional Federal da 2ª Região consideraram que a assembleia extrapolou suas competências constitucionais ao ordenar a libertação dos três parlamentares, após votação na última sexta-feira (17).

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247