PM do Rio prende Thiago Lacerda por suspeita de posse de entorpecente, mas nada foi constatado

Em nota a assessoria de imprensa de Thiago Lacerda disse que após os exames nada foi constatado, por isso o ator foi liberado em seguida

Apoiador da Lava Jato, Thiago Lacerda pede renúncia de Moro e defende Lula livre
Apoiador da Lava Jato, Thiago Lacerda pede renúncia de Moro e defende Lula livre
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Na noite de sexta-feira (20), o ator Thiago Lacerda foi encaminhado para a 14ª Delegacia de Polícia do Rio de Janeiro após ser parado em uma operação na Zona Sul do Rio de Janeiro em que foi encontrado em seu veículo 'material entorpecente'. 

Em nota à coluna do jornalista Leo Dias, a assessoria de imprensa do ator disse que após os exames nada foi constatado, por isso foi liberado em seguida.

"Thiago Lacerda foi retido ontem pela polícia do RJ com suspeita de estar consumindo maconha. O ator foi levado para fazer perícia e nada foi constatado, assim sendo, foi liberado pelo delegado no mesmo dia", esclarece a nota.

Segundo a versão da polícia, Thiago estaria na Rua Mario Ribeiro, no bairro do Leblon, quando foi parado em uma operação em que seu carro supostamente exalava um forte cheiro de entorpecente.

O ator global, ex-apoiador do ministro Sergio Moro, tem sido crítico ao governo Jair Bolsonaro. O artista publicou uma montagem que compara fotos de Bolsonaro e Hitler no barbeiro, em que critica as posturas do chefe do Planalto. "Não à toa… Os signos de semelhança. Sucessão de declarações criminosas!! Vergonha e nojo máximo!", disse.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247