Programa Gás Legal autua mais de mil revendedores de botijões em um ano e interdita a metade

O prximo passo ser a interiorizao do programa e o lanamento de uma campanha de identificao das revendas legais para o consumidor

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Rio_247 – A Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) autuou mais de mil revendedores autorizados de botijões de gás entre outubro de 2010 até ontem (16). Desse total, metade teve o estabelecimento interditado por motivos de segurança, abastecimento irregular e outros problemas.

Os dados foram divulgados hoje (17), no Rio de Janeiro, durante o balanço dos doze meses do Programa Gás Legal, criado em setembro do ano passado, em uma parceria entre a ANP e o Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás), para disciplinar o mercado de gás liquefeito de petróleo (GLP) no país.

Foram fiscalizados quase 4 mil pontos de revenda de GLP, de 25 capitais, entre distribuidoras, revendedores autorizados e pontos clandestinos. O maior problema identificado entre os estabelecimentos legalizados é o excesso de botijões armazenados.

De acordo com o coordenador do Comitê Nacional de Erradicação do Comércio Irregular da ANP, Aurélio Amaral, o programa se soma a uma série de medidas do órgão para que a punição chegue de fato ao infrator. “Julgamos 13,6 mil processos em um ano. Isso elevou a arrecadação de multas, de 2009 para 2010, em 112%. De uma arrecadação que beirava R$ 22 milhões por ano atingimos cerca de R$ 52 milhões em 2010 e a tendência é continuar nesse nível”.

O presidente do Sindigás, Sergio Bandeira de Mello, informou que mais de 17 mil pontos de vendas informais foram identificados pelo sindicato, por meio de denúncias. Segundo Mello, é obrigação das prefeituras fiscalizar os locais de revenda e distribuição, mas a participação dos Poderes locais ainda é muito pequena nesse setor. “Mais importante do que a quantidade de estabelecimentos fiscalizados é a frequência dessa fiscalização. Não adianta interditar um ponto irregular e voltar lá cinco anos depois. É fundamental maior envolvimento e comprometimento das prefeituras nesse processo, que ainda são muito baixos”, disse Mello.

“Faremos um projeto piloto no eixo Rio-São Paulo no início de março de 2012, durante dois meses, para avaliar o material, fazer uma ou outra modificação e, no segundo semestre, lançaremos essa campanha nacionalmente. Além disso, nosso objetivo não é apenas autuar e fiscalizar, mas também o de coordenar esse mercado através da orientação e da educação dos agentes econômicos”, acrescentou o presidente do Sindigás.

O programa também legalizou mais de 10 mil revendedores que procuraram a ANP para se regularizar e promoveu palestras educativas. O próximo passo será a interiorização do programa e o lançamento de uma campanha de identificação das revendas legais para o consumidor.

Segundo um dos coordenadores do programa, Marcelo Sousa, até meados de 2012, serão distribuídos adesivos para veículos, placas e crachás para os revendedores autorizados de botijões de gás, a fim de que se identifiquem para os consumidores.

De acordo com a ANP, existem 45 mil revendas legais de gás de botijão e outras 45 mil que atuam irregularmente nos 5.561 municípios brasileiros. O GLP está presente em cerca de 53 milhões de lares, o que representa 95% dos domicílios brasileiros. O setor reúne mais de 350 mil trabalhadores diretos e indiretos. A cada mês, são vendidos 33 milhões de botijões em todo o país. O setor conta com 22 distribuidoras e 40 mil revendas.

O consumidor pode ligar para 08009700267, ou se informar pelo site da ANP, para saber se o ponto perto de sua casa é autorizado, além de fazer denúncias, críticas e sugestões.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email