Queiroz demitiu ex-mulher do chefe do Escritório do Crime para blindar Flávio Bolsonaro

O ex-assessor Fabrício Queiroz demitiu Danielle Mendonça da Costa da Nóbrega, que foi esposa do ex-policial Adriano Magalhães da Nóbrega, para evitar uma vinculação entre o gabinete de Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) na Alerj e o criminoso, apontado pelo MP-RJ como chefe do Escritório do Crime, grupo suspeito de participação no assassinato da ex-vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ)

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-assessor Fabrício Queiroz demitiu Danielle Mendonça da Costa da Nóbrega, ex-mulher de Adriano Magalhães da Nóbrega, para evitar uma vinculação entre o gabinete do atual senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) quando o parlamentar ocupava um cargo na Assembleia Legislativa e o criminoso, apontado pelo Ministério Público (MP-RJ) como o chefe do Escritório do Crime, grupo de matadores profissionais e suspeito de participação no assassinato da ex-vereadora do Rio Marielle Franco (PSOL).

Em 6 de dezembro de 2018, Queiroz comunicou por Whatsapp a Danielle Mendonça da Costa da Nóbrega que ela fora exonerada do gabinete de Flávio Bolsonaro na Alerj. Neste dia foi tornada público que o ex-assessor de Flávio Bolsonaro era alvo de uma investigação por movimentações milionárias. Queiroz movimentou R$ 7 mihões em de 2014 a 2017, de acordo com relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras).

A íntegra da conversa foi extraída do celular de Danielle, apreendido pelo Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do MP-RJ, durante a Operação “Os Intocáveis”, em janeiro deste ano. 

Segundo informações do jornal O Globo, o ex-assessor confirmou o contéudo e disse, por meio de seus advogados, que "tais diálogos tinham como objetivo evitar que se pudesse criar qualquer suposição espúria de um vínculo entre ele e a milícia".

O senador Flávio Bolsonaro fez homenagens ao ex-capitão do Bope Adriano Magalhães da Nóbrega na Alerj. Ele foi apontado pelo MP-RJ como chege do Escritório do Crime, que faz exploração mobiliária ilegal. As investigações da Polícia Civil do Rio apontam vinculação entre a facção e o homicídio contra a ex-vereadora Marielle Franco (PSOL), que era ativista de direitos humanos e vinha denunciando a existência de milícias e a truculência policial nas favelas da capital fluminense. 

A forte suspeita é a de que o assassinato tenha ligação com o crime organizado. Em março do ano passado, mês do homicídio, os criminosos perseguiram o carro da então vereadora por cerca de quatro quilômetros e efetuaram os disparos em um lugar sem câmeras no centro do Rio. 

Quando era deputado estadual, o filho de Jair Bolsonaro votou contra a proposta do então deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), atual deputado federal, para conceder a medalha Tiradentes em homenagem à vereadora.

Em março de 2019, dois suspeitos de serem os assassinos de Marielle forma presos: o policial militar reformado Ronnie Lessa e o ex-militar Élcio Vieira de Queiroz. O primeiro é acusado de disparados os tiros e o segundo de dirigir o carro que perseguiu a parlamentar.  Lessa morava no mesmo condomínio de Bolsonaro e Vieira de Queiroz, de 46 anos havia postado no Facebook uma foto ao lado do atual ocupante do Planalto.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247