Royalties: União cede 8% para atender não produtores

Percentual da Unio, que hoje de 50%, cair para 42%; senadores queriam 40% e ministro Guido Mantega teria cogitado 43%; tudo para garantir os R$ 8 bilhes destinados aos estados no produtores



Agência Brasil/Marcos Chagas - O relator do projeto que prevê a partilha dos royalties do petróleo entre estados produtores, não produtores e a União, Vital do Rêgo (PMDB-PB), disse que o percentual destinado à União na participação especial paga pelas petroleiras ficará em 42%,8 pontos percentuais a menos do que é pago hoje. Ontem (17), o ministro da Fazenda, Guido Mantega, chegou a apresentar proposta que previa redução para 43%, segundo líder do PT no Senado, Humberto Costa (PT-PE), que participou do encontro. O senador disse ainda que a proposta de Mantega é reduzir o percentual e recuperá-lo ano a ano com o aumento de 1% até chegar a 46%.

Segundo o líder petista só dessa forma as contas serão fechadas e os estados e municípios não produtores poderão receber cerca de R$ 8 bilhões, como prevê o projeto de lei do senador Wellington Dias (PT-PI). Humberto Costa disse também que hoje serão intensificadas as conversas com representantes da União e da Câmara dos Deputados.

De acordo com o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMBD-RO), diante da alternativa dada pelo ministro, os deputados insistiram em manter a proposta de 40%, prevista na emenda do líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN). Mas para haver consenso, os parlamentares decidiram apoiar a proposta que prevê participação de 42% mais recomposição de 1% ano a ano. Às 15 horas, está prevista uma reunião da bancada peemedebista no Senado, quando o relator apresentará e debaterá sua proposta.

O senador Wellington Dias destacou que o parecer que será apresentado à tarde mantém basicamente o eixo de seu projeto de lei e viabiliza o pagamento de R$ 8 bilhões aos estados não produtores na arrecadação de royalties e participação especial. Além disso, e municípios produtores têm os R$ 12 bilhões já previstos em seus orçamentos para o ano que vem e a União tem garantidos recursos entre R$ 8,5 e R$ 9 bilhões.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo Wellington Dias, a União alega que a receita dos royalties e da participação especial "são instáveis" porque dependem do preço do barril de petróleo. O senador não concorda com esse argumento e reconheceu que essa oscilação no preço do barril vale, também, para estados e municípios uma vez que a discussão se trata da divisão de toda a arrecadação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email