São Paulo poderá ter 'chuva negra' por causa das queimadas no Pantanal

A cidade de São Paulo poderá ser vítima das queimadas na região do Pantanal. Principal efeito será a "chuva negra"

(Foto: ag. Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - As consequências das queimadas na região do Pantanal já atingem a maior cidade do país. 

A fumaça das queimadas que atingem o Pantanal chegou ao Sudeste e notadamente à cidade de São Paulo, informa O Estado de S. Paulo. O fenômeno já ocorreu em agosto do ano passado como efeito dos incêndios na Amazônia. 

Nesta quinta-feira (17), uma fumaça mais espessa já era visível por toda a capital. A expectativa é em relação à possibilidade de “chuva negra” até o próximo domingo na cidade de São Paulo. 

“As condições atmosféricas trouxeram ventos do Centro-Oeste. Com a previsão de chuva para os próximos dias, é possível que ocorra uma ‘chuva negra’, ou seja, com fuligem, que vai ser facilmente observável sobre os carros", explica o meteorologista da Climatempo João Basso. Dessa forma, o céu alaranjado é uma marca da chegada dessa poluição.

O fenômeno da “chuva negra” já ocorreu em algumas áreas do Rio Grande do Sul no fim de semana passado, e também foi visto na cidade de São Paulo em 19 de agosto de 2019. 

A perspectiva também é de que novamente o ciclo de ventos no Centro-Oeste leve a fumaça ao Sul do País. 

Segundo a Climatempo, é possível que ocorra nesta sexta-feira um aumento da camada de fumaça sobre áreas do Rio de Janeiro, especialmente no centro-sul do Estado, incluindo a capital fluminense, e sobre o centro-sul de Minas e o Triângulo Mineiro. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247