Sargento da Marinha mata vizinho e diz tê-lo confundido com bandido: ‘racismo’, diz viúva

Durval Teófilo Filho, de 38 anos, foi atingido na barriga ao ser confundido com um bandido pelo sargento da Marinha Aurélio Alves Bezerra

www.brasil247.com - Durval Teófilo Filho, de 38 anos
Durval Teófilo Filho, de 38 anos (Foto: Reprodução/TV Globo)


247 - O sargento da Marinha Aurélio Alves Bezerra matou a tiros o próprio vizinho, na porta de casa, em São Gonçalo (RJ), na noite desta quarta-feira (2). A polícia informou que Durval Teófilo Filho, de 38 anos, foi baleado ao ser confundido com um bandido. "Tenho certeza de que isso aconteceu porque ele é preto", disse Luziane Teófilo, mulher de Durval.

Bezerra, que chegou a socorrer a vítima, foi preso em flagrante. O crime foi na Rua Capitão Juvenal Figueiredo 1520, no Colubandê, por volta das 23h.

De acordo com o portal G1, Aurélio disse à PM que chegava em casa quando viu um homem se aproximando de seu veículo "muito rápido". O militar disse ter atirado três vezes, atingindo a barriga de Durval.

Luziane Teófilo, mulher de Durval, disse ainda que o marido morreu porque era negro. "Vendo as câmeras, ouvindo a fala do delegado e pelo que os vizinhos estão falando, tenho certeza de que isso aconteceu porque ele é preto. Mesmo eles falando que ele era morador do condomínio, o vizinho não quis saber. Para mim, foi racismo sim", afirmou.

O caso foi comunicado à Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo. 

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247