Senado vota royalties do petróleo semana que vem

Sarney adverte:no passa do dia 05 de outubro a votao da emenda de distribuio dos royalties; se for derrubado o veto de Lula, o Rio perder R$ 5 bilhes por ano



247_ O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), disse hoje que, mesmo não acreditando na existência de uma proposta unânime na Casa, os senadores terão de votar na semana que vem o projeto de lei que trata da distribuição dos royalties do petróleo e participações especiais. Ele lembrou o acordo feito com os governadores e parlamentares de marcar o próximo dia 5 como data-limite para examinar o veto do presidente Luiz Inácio Lula da Silva a emenda que prevê distribuição igualitária dos royalties entre todos os Estados e municípios.

A proposta, evidentemente, não interessa ao Rio de Janeiro. Se for derrubado o veto dado por Lula, no fim do ano passado, à emenda Ibsen Pinheiro (PMDB-RS), que definia a distribuição igualitária dos royalties e das participações especiais do pré-sal por todos os estados brasileiros, o Rio de Janeiro perderá R$ 5 bilhões anuais de arrecadação e os municípios produtores outros R$ 2,5 bilhões. Se os demais estados derrubarem o veto em plenário e, caso um acordo não seja fechado, a discussão acabará sendo transferida para o Supremo Tribunal Federal.

A União está disposta a reduzir de 30% para 20% sua participação, já a partir do próximo ano, para aumentar o repasse aos estados e municípios não produtores. O Estado de Minas apurou que o máximo que o Planalto concorda em abrir mão é a redução de 50% para 46% das receitas. Isso representa uma perda de R$ 4 bilhões para os cofres da União.

No momento o debate agora está no Senado, onde tramita um projeto de lei relatado pelo senador Vital do Rêgo (PMDB-PB). A proposta é que os estados não produtores abram mão de metade das receitas que poderiam ganhar com o pré-sal, o que equivaleria a uma redução nos ganhos de R$ 16 bilhões para R$ 8 bilhões, caso o veto do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva seja derrubado. Já a União teria uma perda de R$ 3 bilhões.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os royalties dos estados produtores cairiam de 26,25% para 25% também a partir do próximo ano. A parcela dos municípios com instalações de embarque e desembarque de petróleo, hoje em 8,75%, cairá para 3%. Já os municípios produtores terão a participação reduzida gradualmente até 2020. O percentual, atualmente em 26,25%, cairá para 18% em 2012 até atingir 6% em 2020. A alteração dos percentuais vale para todos os contratos atuais, licitados sob o regime de concessão.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A ideia é ter uma proposta alternativa, capaz de convencer deputados e senadores que querem derrubar o veto do presidente Lula a mudarem de opinião. Sarney lembrou que a matéria tramita em regime de urgência. "A Mesa tem de cumprir a decisão do plenário, o projeto será votado logo que a nossa pauta esteja desobstruída", afirmou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O presidente do Senado reconheceu que toda a matéria referente aos royalties do petróleo é "muito controvertida" para ser objeto de um acordo consensual. "Vamos ter naturalmente as posições colocadas em plenário de bancadas e Estados que têm pontos de vista diferentes". Sobre o veto, limitou a dizer que a votação está marcada para o dia

Propostas é o que não faltam. Um grupo de senadores, composto por Delcídio Amaral (PT-MS), Lindbergh Farias (PT-RJ), Francisco Dornelles (PP-RJ) e Ricardo Ferraço (PMDB-ES), está sugerindo a elevação de 10% para 20% da alíquota dos royalties nas novas licitações, junto com o aumento da parcela dos estados e municípios não produtores e a participação dos estados produtores.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Para limpar a pauta e votar o projeto de lei, os senadores terão de examinar quatro medidas provisórias. O objetivo do Líder do governo, senador Romero Jucá (PMDB-RR), era votar duas MPs ontem e duas nesta quarta-feira, mas a intenção foi abandonada porque os relatores não entregaram seus pareceres. O que obriga o governo a "espremer" a pauta e examinar as medidas de uma só vez. As MPs tratam da liberação de crédito suplementar para os ministérios da Integração e da Defesa; das atividades de médicos residentes e do fomento às atividades produtivas rurais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email