Shows de graça comemoram Dia Nacional do Choro

Trs concertos no Parque Garota de Ipanema, na zona sul do Rio de Janeiro, comemoram o dia dedicado ao gnero musical brasileiro e carioca; data foi instituda para homenagear Pixinguinha

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência Brasil - O feriado estadual de hoje (23) no Rio, dedicado a São Jorge, também é uma oportunidade para os cariocas comemorarem o Dia Nacional do Choro. A data foi instituída no ano 2000, em homenagem ao aniversário de Alfredo da Rocha Viana, o Pixinguinha, compositor, instrumentista, maestro e um dos grandes nomes da música brasileira. Autor de clássicos como Carinhoso, Lamentos e Um a Zero, Pixinguinha foi um dos responsáveis, na primeira metade do século 20, pela consolidação do choro como gênero musical, brasileiríssimo e carioca. Leia também matéria do 247 sobre o aniversário do ídolo das composições do gênero.

Para comemorar a data, três concertos gratuitos estão sendo apresentados desde as 11h no Parque Garota de Ipanema, no Arpoador, zona sul do Rio, com diferentes formas de interpretação do choro. “Reunimos uma forma mais contemporânea de interpretação do gênero, um dos mais tradicionais grupos de choro e um duo com dois dos maiores virtuosos em seus instrumentos na música brasileira, que são Jorge Simas, no violão de sete cordas, e Dirceu Leite, nos sopros”, explica o diretor do espetáculo, Didu Nogueira.

A contemporaneidade ficou para o Choro Elétrico, de Alceu Maia. Nas sequência da programação, o Galo Preto, conjunto formado em 1975, é o segundo do gênero em tempo de atividade, só superado pelo tradicional Época de Ouro. No repertório, clássicos de Pixinguinha, Ernesto Nazareth, Jacob do Bandolim e Waldir Azevedo, entre outros compositores.

Depois da apresentação de Jorge Simas e Dirceu Leite, o evento será encerrado pela Companhia Dançando para Não Dançar, formada por bailarinos vindos de comunidades populares do Rio de Janeiro. Eles vão dançar uma coreografia criada pela diretora do grupo, Thereza Aguilar, para o choro Urubu Malandro, de Pixinguinha.

Apesar do tempo meio encoberto, centenas de cariocas e turistas acompanham os concertos, em suas próprias cadeiras de praia e nas 120 cadeiras disponibilizadas pela produção do evento, que tem patrocínio da Secretaria Estadual de Cultura.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email