Tarcísio promulga lei em homenagem a Erasmo Dias, ícone da ditadura

Símbolo do regime militar no país, coronel ficou conhecido como o secretário de Segurança de São Paulo que promoveu a invasão na PUC em 22 de setembro de 1977

Na noite da invasão, Nadir Kfouri negou aperto de mão a Erasmo Dias (2º à esq) e disse: “Nāo dou a māo a assassinos”
Na noite da invasão, Nadir Kfouri negou aperto de mão a Erasmo Dias (2º à esq) e disse: “Nāo dou a māo a assassinos” (Foto: Hélio Campos Mello)


✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

RBA - O governo de São Paulo promulgou nesta quarta-feira (28) uma lei em homenagem ao coronel Erasmo Dias. O projeto foi apresentado pelo deputado bolsonarista Frederico D’Avila (PL), e batiza com o nome do militar um viaduto na cidade de Paraguaçu Paulista, onde Dias nasceu. O governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) está em um evento em Lisboa. Assim, o vice-governador Felício Ramuth (PSD) e secretários ficaram responsáveis pela promulgação.

Erasmo Dias, representante e ícone do regime militar no país (1964-1985), ficou conhecido como o secretário de Segurança Pública de São Paulo que promoveu a invasão na Pontifícia Universidade Católica (PUC), em 1977, que resultou na detenção de 854 estudantes. Desses, 42 foram processados com base na Lei de Segurança Nacional, acusados de subversão. Na data da operação, 22 de setembro de 1977, os estudantes faziam um movimento e ato público pela reorganização da União Nacional dos Estudantes (UNE).

continua após o anúncio

Nadir Kfouri: “Nāo dou a māo a assassinos”

A reitora da PUC-SP na época era Nadir Kfouri, primeira mulher no mundo a ser reitora de uma universidade católica. Na defesa da instituição e de seus alunos, ela desafiou o secretário de Segurança Pública, negou-lhe um aperto de mão, virou-lhe as costas e disse: “Nāo dou a māo a assassinos”. Ela morreu em 13 de setembro de 2011, aos 97 anos.

Dias também prendeu sindicalistas (petroleiros, portuários e estivadores), aprisionando-os no navio-prisão Raul Soares em 1964, quando era comandante do Forte Itaipú, na Baixada Santista.

continua após o anúncio

No final de maio de 2023, nove centrais sindicais e a UNE pediram a Tarcísio de Freitas que vetasse a homenagem, aprovada pela Assembleia Legislativa de São Paulo. As entidades classificaram a iniciativa como “inadmissível”, e destacaram que Erasmo Dias era uma pessoa “reconhecidamente autoritária, violenta e antidemocrática”.

Erasmo Dias foi deputado federal nos períodos entre 1979 e 1983. De 1987 a 1999 foi deputado estadual. Ele morreu em 2010 aos 85 anos. Leia sobre invasão da PUC aqui.

continua após o anúncio

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

continua após o anúncio

Ao vivo na TV 247

Cortes 247