Traficantes aproveitam pandemia para aterrorizar favelas no Rio

Um criminoso chamado de Peixão vem controlando a venda de drogas em área em que moram 134 mil pessoas. Quadrilha é suspeita de executar e ocultar cadáveres de moradores e de impor religião

Favela do Rio sob guerra do tráfico
Favela do Rio sob guerra do tráfico (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Traficantes do Rio de Janeiro estão aproveitando o pânico que a pandemia leva às pessoas para intensificar a violência e aterrorizar regiões conflagradas. A quadrilha do traficante Peixão está invadindo comunidades, na Zona Norte da cidade, e criando um novo complexo de favelas. 

A reportagem do portal G1 destaca que “na expansão de seu domínio, o criminoso tenta impor a religião, deixa rastro de pessoas desaparecidas e coloca barricadas à beira da Avenida Brasil, uma das principais vias de acesso à cidade do Rio de Janeiro. O "Complexo de Israel" é, atualmente, como vem sendo chamado o conjunto de favelas dominadas pelo traficante Álvaro Malaquias Santa Rosa, conhecido como Peixão, de 34 anos. O criminoso tem 35 anotações criminais em sua ficha. Já foi investigado, indiciado, denunciado mas até hoje não foi preso.”

A matéria ainda informa que a “cidade Alta, Vigário Geral, Parada de Lucas, Cinco Bocas e Pica-pau são as cinco comunidades que compõem o novo complexo. Juntas, no local, moram cerca de 134 mil pessoas. Os policiais apuram ainda a expansão da quadrilha para duas localidades que nunca foram dominadas por traficantes: a Estrada do Porto Velho e a Rua Lyrio Maurício da Fonseca, na região de Brás de Pina.”

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email