Tragédia na Rocinha poderia ter sido evitada, diz ex-coordenador das UPPs

"Eu vejo isso como um problema de completa falta de sincronia entre as inteligências. A Rocinha foi uma tragédia que poderia ter sido evitada. O plano [de segurança] que foi montado há algum tempo deveria prever um trabalho de inteligência preventiva, o que não aconteceu. Infelizmente agora vamos agir depois do que aconteceu", disse o coronel Robson Rodrigues, Ex-Chefe do Estado-Maior da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro e ex-Coordenador das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs)

"Eu vejo isso como um problema de completa falta de sincronia entre as inteligências. A Rocinha foi uma tragédia que poderia ter sido evitada. O plano [de segurança] que foi montado há algum tempo deveria prever um trabalho de inteligência preventiva, o que não aconteceu. Infelizmente agora vamos agir depois do que aconteceu", disse o coronel Robson Rodrigues, Ex-Chefe do Estado-Maior da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro e ex-Coordenador das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs)
"Eu vejo isso como um problema de completa falta de sincronia entre as inteligências. A Rocinha foi uma tragédia que poderia ter sido evitada. O plano [de segurança] que foi montado há algum tempo deveria prever um trabalho de inteligência preventiva, o que não aconteceu. Infelizmente agora vamos agir depois do que aconteceu", disse o coronel Robson Rodrigues, Ex-Chefe do Estado-Maior da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro e ex-Coordenador das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) (Foto: Aquiles Lins)

Agência Sputnik Brasil - Ao comentar o intenso tiroteio na Rocinha nesta sexta-feira, o Coronel Robson Rodrigues, Ex-Chefe do Estado-Maior da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro e ex-Coordenador das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), disse à Sputnik Brasil que a tragédia poderia ter sido evitada.

"Eu vejo isso como um problema de completa falta de sincronia entre as inteligências. A Rocinha foi uma tragédia que poderia ter sido evitada. O plano [de segurança] que foi montado há algum tempo deveria prever um trabalho de inteligência preventiva, o que não aconteceu. Infelizmente agora vamos agir depois do que aconteceu", disse o interlocutor da agência.

"Temos bons sinais agora partindo do secretário de segurança, que é estabelecer o gabinete de crise, que deveria já ter sido estabelecido há muito tempo. Agora ele instaurou esse gabinete e vai alocar os recursos destacando uma função para as tropas federais", afirmou o Coronel.

Segundo Robson Rodrigues, que também já comandou o Batalhão de Choque, a presença do Exército na comunidade pode ser positiva para trazer tranquilidade para a população.

"A presença das tropas na Rocinha, como aconteceu antes da instalação das UPPs, é bem vinda. Principalmente para dar mais tranquilidade às pessoas, que estão apavoradas e correm mais riscos por isso", explicou.

Além disso, o militar recomendou prudência às polícias nas próximas horas e dias, pois a tensão na cidade já estaria muito alta.

"Importante que a polícia não inicie outras conflagrações no momento. Já há muitas em andamento entre as facções e dentro da mesma facção. Então aumentar o nível de tensão com outras operações neste momento seria o menos indicado, o mais importante é fazer um trabalho preventivo", alertou.

Conheça a TV 247

Mais de Sudeste

Ao vivo na TV 247 Youtube 247