“Vamos atravessar o período de maior violência política da história”, adverte Duda Salabert

“É fundamental nós ocuparmos as ruas, entendendo que a batalha eleitoral vai ser reflexo do que vai estar acontecendo nas ruas”, defendeu a candidata pedetista.

www.brasil247.com - Duda Salabert (PDT)
Duda Salabert (PDT) (Foto: Divulgação (Instagram))


247 - A vereadora Duda Salabert (PDT), de Belo Horizonte, candidata a deputada federal, acredita que essa será a eleição mais violenta da história.

“Vamos atravessar os próximos dias o período de maior violência política da história do Brasil. Temos no Brasil uma polarização marcada pelo ódio e a necropolítica de um lado e de outro a biopolítica. É fundamental nós ocuparmos as ruas, entendendo que a batalha eleitoral vai ser espelho, o reflexo do que vai estar acontecendo nas ruas”, defendeu a candidata pedetista. 

Em 2020, Duda foi eleita a primeira vereadora trans de Belo Horizonte com número recorde de votos. Em 2022, ela garante que vai eleger uma bancada de pessoas travestis e transexuais para o Congresso Nacional e terá três vezes mais votos que o tucano Aécio Neves.

Duda Salabert decidiu se candidatar a deputada federal em vez de senadora após seu partido ter cogitado uma aliança com o PSDB em Minas Gerais. 

A parlamentar defendeu que nesta eleição é preciso emocionar as pessoas para derrotar Jair Bolsonaro. Segundo ela, a política tem que saber casar conteúdo e forma. “Nós temos um projeto de sociedade, uma visão de mundo que é encantadora e que tem que casar com uma estética. Na sua etimologia, a estética significa sensação. É aquilo que toca. E a política tem que tocar. tem que emocionar, tem que sensibilizar as pessoas. Daí a dimensão da estética ser fundamental, pois toda estética é política e toda política precisa de uma estética”, salientou.

Ela lembrou que em 2018, no vira voto, o campo progressista conseguiu mostrar racionalmente porque votar em Bolsonaro era a pior opção para o Brasil.

“No ponto racional, nós tínhamos razão, mostramos racionalmente que Bolsonaro era a pior opção, mas não basta a razão do ponto de vista discursivo. Tem que trabalhar também a dimensão da estética. Temos que tocar e sensibilizar as pessoas. Por isso que a política e arte andam juntas”, destacou.

E acrescenta: “O Bolsonaro venceu as eleições sem nenhum projeto para o país, ou melhor, tinha um projeto de destruição do país. Mas ele conseguiu tocar as pessoas na dimensão do ódio. Ele emocionou as pessoas despertando a dimensão do ódio, é uma ferramenta também, mas não a que nós queremos operar. Temos que fomentar nas pessoas a dimensão do esperançar, a dimensão da emoção e do amor”.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email