Witzel cogita asilo político no Canadá e ataca Flavio Bolsonaro

Alvo de um processo de impeachment e acusado de corrupção, o governador Wilson Witzel ataca Jair Bolsonaro e diz que se mudará do País caso seja definitivamente afastado do cargo

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel.
O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel. (Foto: Eliane Carvalho/Governo do RJ/Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, afirmou nesta terça-feira (27) que avalia pedir asilo político ao Canadá. 

Em entrevista à revista Veja, o ex-juiz federal, acusado de corrupção, disse  que não tem medo de ser preso e que ainda planeja em ser presidente da República. 

"Se perceber que há perseguição política e cooptação das instituições contra mim e a minha família, pretendo pedir asilo político no Canadá. Consigo emprego em qualquer lugar do mundo", disse Witzel, ao ser questionado sobre o que fará se for definitivamente afastado do cargo. 

Witzel revelou um encontro que teve com Jair Bolsonaro e disse que atualmente o governo gira em torno de proteger o senador Flávio Bolsonaro. 

"Teve um dia em que esbarrei com o presidente na festa de aniversário de um ministro do TCU. Ele me chamou no canto e pediu: 'Governador, não faça nada contra os meus filhos.' Perguntei: 'Mas fazer o quê?' E ele: 'Nenhuma maldade'. Ele achava que eu plantaria provas contra os filhos dele, o Carlos, o Flávio. Como se sabe, há investigações delicadas no Rio de Janeiro que envolvem a família. Não é exagero dizer que a República gira hoje em torno da proteção ao Flávio Bolsonaro", afirmou. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247