Witzel diz que Bolsonaro pode estar por trás de seu afastamento

O governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, acusado de praticar corrupção na compra de equipamentos médicos e contratos, declarou nesta sexta-feira (28) que a decisão de seu afastamento foi “induzida pela PGR” por influência da presidência da República. “A família Bolsonaro quer o Rio de Janeiro”, disse

Jair Bolsonaro e Wilson Witzel
Jair Bolsonaro e Wilson Witzel (Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247- O governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, acusado de praticar corrupção na compra de equipamentos médicos e contratos, declarou nesta sexta-feira (28), em pronunciamento à imprensa, que a decisão de seu afastamento foi “induzida pela PGR” por influência da presidência da República. “A família Bolsonaro quer o Rio de Janeiro”. 

Ele acusou em sua fala a subprocuradora Lindora Araújo, responsável pela Operação Lava Jato na PGR, de agir politicamente. 

O governador afastado também afirmou que está “incomodando prendendo milicianos” e que está “sendo vítima do uso do possível uso político da PGR”. 

“A busca e apreensão não encontrou R$1 real na minha casa, foi um circo contra mim, uma decisão induzida pela Procuradoria Geral da República, que persegue governadores e desestabiliza o estado com investigações rasas, buscas preocupantes”, acrescentou. 

Witzel  disse que “há interesses de poderosos para derrubá-lo”. 

Saiba mais 

Após surfar no sentimento da antipolítica e se eleger governador do Rio de Janeiro contra todas as expectativas, Wilson Witzel foi afastado do cargo por corrupção. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou, nesta sexta-feira (28), o afastamento imediato do governador Wilson Witzel (PSC) do cargo por irregularidades em contratos na saúde. O vice, Cláudio Castro, assume o governo do RJ, segundo informa o portal G1.

A ordem de afastamento é decorrência das investigações da Operação Placebo, em maio, e da delação premiada de Edmar Santos, ex-secretário de Saúde, que denunciou irregularidades na compra de equipamentos médicos durante a pandemia.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247