Advogado de campanhas de Gleisi é alvo de mandado de prisão

Advogado Guilherme de Salles Gonçalves, que participou da campanha da senadora Gleisi Hoffmann ao Senado, em 2010, e à prefeitura de Curitiba, em 2008, é alvo de mandados de prisão preventiva em consequência da Operação Custo Brasil, um desdobramento da Lava Jato; segundo a PF, ele não foi detido porque está em Portugal; em agosto 2015, a força-tarefa localizou no escritório de advocacia de Gonçalves documentos apontando que valores recebidos pela empresa Consist Software teriam sido utilizados para efetuar pagamentos em favor de Gleisi, segundo as investigações; o defensor deve se apresentar quando retornar ao Brasil, de acordo o advogado dele 

Advogado Guilherme de Salles Gonçalves, que participou da campanha da senadora Gleisi Hoffmann ao Senado, em 2010, e à prefeitura de Curitiba, em 2008, é alvo de mandados de prisão preventiva em consequência da Operação Custo Brasil, um desdobramento da Lava Jato; segundo a PF, ele não foi detido porque está em Portugal; em agosto 2015, a força-tarefa localizou no escritório de advocacia de Gonçalves documentos apontando que valores recebidos pela empresa Consist Software teriam sido utilizados para efetuar pagamentos em favor de Gleisi, segundo as investigações; o defensor deve se apresentar quando retornar ao Brasil, de acordo o advogado dele 
Advogado Guilherme de Salles Gonçalves, que participou da campanha da senadora Gleisi Hoffmann ao Senado, em 2010, e à prefeitura de Curitiba, em 2008, é alvo de mandados de prisão preventiva em consequência da Operação Custo Brasil, um desdobramento da Lava Jato; segundo a PF, ele não foi detido porque está em Portugal; em agosto 2015, a força-tarefa localizou no escritório de advocacia de Gonçalves documentos apontando que valores recebidos pela empresa Consist Software teriam sido utilizados para efetuar pagamentos em favor de Gleisi, segundo as investigações; o defensor deve se apresentar quando retornar ao Brasil, de acordo o advogado dele  (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Paraná 247 - O advogado Guilherme de Salles Gonçalves, que participou da campanha da senadora Gleisi Hoffmann ao Senado, em 2010, e à prefeitura de Curitiba, em 2008, é alvo de mandados de busca e apreensão e de prisão preventiva. Segundo a Polícia Federal (PF), ele não foi detido porque está em Portugal. Gonçalves deve se apresentar quando retornar ao Brasil, segundo o advogado dele.

A Polícia e Receita Federal deflagraram a ação Custo Brasil, um desdobramento da 18ª fase da Lava Jato e que prendeu o marido da senadora, Paulo Bernardo, ex-ministro dos governos do ex-presidente Lula e da presidente afastada Dilma Roussef Paulo Bernando.

A ação apura suspeita de pagamento de propina através de um contrato firmado entre a pasta e a empresa Consist Software para gestão de empréstimos consignados para servidores. Em agosto 2015, a força-tarefa que localizou no escritório de advocacia de Guilherme Gonçalves documentos para a investigação. Os papeis indicam que valores recebidos pela Consist teriam sido utilizados para efetuar pagamentos em favor de Gleisi, segundo as investigações.

O escritório de advocacia Guilherme Gonçalves & Sacha Reck, que foi desfeito em 2013, foi investigado por supostas irregularidades na licitação de transporte público do Distrito Federal em 2012. O Ministério Público do Distrito Federal apresentou denúncia à Justiça em março deste ano.

Outro lado

Guilherme Gonçalves deve se apresentar à Polícia Federal assim que retornar de viagem, de acordo com o advogado que o representa, Rodrigo Sanches Rios. Segundo o G1, ele disse ainda que irá recorrer à Justiça para revogar o pedido de prisão. O advogado afirmou que irá se manifestar nos autos do processo, após ser questionado sobre as suspeitas de envolvimento do Guilherme Gonçalves nas irregularidades em contratos do Ministério do Planejamento.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247