Carlos Fernando abre escritório com ex-auditor da Receita que fazia levantamentos ilegais para a Lava Jato

Dispensando procedimentos previstos na legislação, Roberto Leonel forneceu aos procuradores da Lava Jato dados fiscais e bancários de investigados e de pessoas ligadas a eles. Parentes do ex-presidente Lula tiveram dados repassados por Leonel aos procuradores

(Foto: Agência Brasil | Isaac Amorim/MJSP)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-procurador da operação Lava Jato Carlos Fernando dos Santos Lima anunciou nesta quarta-feira, 16, a abertura de um escritório de consultoria em compliance para empresas com o ex-auditor da Receita Federal Roberto Leonel de Oliveira Lima. 

"Carlos Fernando, que está abrindo seu escritório de advocacia em Curitiba com atuação focada na área de compliance, governança, investigações internas, monitoria e acordos de leniência, fechou uma parceria com Leonel, ex-presidente do Coaf, e os dois vão atuar conjuntamente nessas áreas de expertise", diz material divulgado à imprensa sobre o novo negócio. 

Como mostrou reportagem da Vaza Jato, publicada pela Folha de S. Paulo e The Intercept em 18 de agosto de 2019, Roberto Leonel era a pessoa dentro da Receita Federal que fornecia aos procuradores da Lava Jato dados fiscais e bancários de investigados e de pessoas ligadas a eles, sem obedecer aos procedimentos exigidos pela legislação. 

A reportagem revelou que procuradores da Lava Jato mantinham contato direto com Roberto Leonel para consultar dados pormenorizados de investigados ou pessoas próximas, mesmo sabendo que estavam infringindo regras.

Em agosto de 2015, o procurador Roberson Pozzobon disse que iria procurar o então auditor-fiscal da área de inteligência da Receita Federal para obter detalhes financeiros de um sobrinho de Lula, após o surgimento de notícias de que ele estaria fazendo negócios na Angola com a ajuda da Odebrecht. “Quero pedir via Leonel para não dar muito na cara, tipo pescador de pesque e pague rsrsrs”, disse numa mensagem a Deltan.

De janeiro a março de 2016, os procuradores consultaram Leonel para obter dados sobre a nora de Lula, do caseiro do sítio de Atibaia, dos antigos donos do imóvel e da mulher do petista, dona Marisa Letícia Lula da Silva.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247