Carros de som tocam mensagens contra vacinação de crianças em Novo Hamburgo (RS)

Nas mensagens, dá para perceber uma voz feminina chamando os imunizantes de "vacina experimental", o que é mentira. Assista

www.brasil247.com - Carro de som toca mensagem antivacina em Novo Hamburgo
Carro de som toca mensagem antivacina em Novo Hamburgo (Foto: Reprodução/YouTube)


247 - Carros de som estão circulando na cidade de Novo Hamburgo, região metropolitana de Porto Alegre, com mensagens contra a vacinação de crianças e adolescentes contra a Covid-19. 

Em vídeo gravado pelo jornal NH, dá para ouvir uma voz feminina disseminando desinformação e dizendo: “nós todos temos o dever de saber que não é obrigatória a vacina experimental em nossos filhos”.

A vacina contra a Covid-19 em crianças é testada cientificamente e aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Até o momento, a Anvisa aprovou a aplicação de dois imunizantes, da Pfizer (para crianças de 5 a 11 anos) e a Coronavac (para crianças e adolescentes a partir dos 6 anos).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Pais podem responder criminalmente por não vacinar filhos

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em artigo publicado na Conjur, a defensora pública Elisa Costa Cruz explicou que, de acordo com o parágrafo 1º do artigo 14 do ECA, é obrigatória a vacinação das crianças nos casos recomendados pelas autoridades sanitárias.

Ou seja, a vacinação não é facultativa no Brasil quando a vacina for aprovada pela autoridade responsável, no caso, a Anvisa, e for incluída no calendário de vacinação. O descumprimento do dever de vacinar os filhos pode levar a algumas punições que variam em gravidade. A mais leve seria a aplicação de multa (artigo 249 do ECA). 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Supremo Tribunal Federal, em julgamento que discutia se pais podem deixar de vacinar seus filhos menores de idade com fundamento em convicções filosóficas, religiosas, morais e existenciais, fixou a seguinte tese: "É constitucional a obrigatoriedade de imunização por meio de vacina que, registrada em órgão de vigilância sanitária, (i) tenha sido incluída no Programa Nacional de Imunizações, ou (ii) tenha sua aplicação obrigatória determinada em lei ou (iii) seja objeto de determinação da União, Estado, Distrito Federal ou Município, com base em consenso médico-científico". "Em tais casos, não se caracteriza violação à liberdade de consciência e de convicção filosófica dos pais ou responsáveis, nem tampouco ao poder familiar." 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email