Dallagnol: 'País não é propriedade de corruptos'

No Dia Internacional de Combate à Corrupção, o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa do Ministério Público na Operação Lava Jato no Paraná, defendeu a aprovação de punição mais dura contra quem pratica este tipo de crime; "As leis melhoraram apenas na primeira das duas etapas do combate judicial à corrupção, que é a da investigação. A segunda etapa, em que a pessoa responde à acusação criminal perante um juiz e tribunais, é uma verdadeira máquina de impunidade", afirmou   

O  coordenador da força-tarefa Lava Lato, o procurador da República Deltan Dallagnol, apresenta propostas do Ministério Público Federal para o Combate à Corrupção (Marcelo Camargo/Agência Brasil)
O coordenador da força-tarefa Lava Lato, o procurador da República Deltan Dallagnol, apresenta propostas do Ministério Público Federal para o Combate à Corrupção (Marcelo Camargo/Agência Brasil) (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Paraná 247 - O procurador Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa do Ministério Público na Operação Lava Jato no Paraná, defendeu a aprovação de leis mais duras de punição contra quem pratica crimes de corrupção. 

"As leis melhoraram apenas na primeira das duas etapas do combate judicial à corrupção, que é a da investigação. A segunda etapa, em que a pessoa responde à acusação criminal perante um juiz e tribunais, é uma verdadeira máquina de impunidade", afirmou Dallagnol, em entrevista ao G1. "O Brasil não é propriedade privada dos corruptos, essa terra é nossa", completou.

Para o procurador, o sentimento de impunidade é um dos fatores principais que motivam atos de corrupção. "Segundo um estudo acadêmico sobre a corrupção publicado pela Fundação Getúlio Vargas, o fator mais importante para inibir a corrupção é uma alta probabilidade de punição; o segundo fator mais relevante é uma pena adequada. Não temos nenhuma das duas coisas e os autores concluem que a corrupção compensa no Brasil. E é verdade. A ação penal 461 contra Paulo Maluf acaba de prescrever no Supremo Tribunal Federal. No Propinoduto, a corrupção já prescreveu também. Poderíamos citar inúmeros casos “derrubados” pela prescrição, que é uma espécie de cancelamento do caso criminal e do crime pelo decurso do tempo", afirmou. 

Nesta quarta-feira (9) é celebrado o Dia Internacional de Combate à Corrupção. A data será lembrada pelo Ministério Público Federal (MPF) em Brasília com um balanço dos resultados alcançados em 2015 no enfretamento à corrupção, além da divulgação do "Ranking Nacional dos Portais da Transparência".

 

 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247