Dallagnol quer saber se telefone de Cunha foi adulterado

Após Sergio Moro determinar nova perícia no telefone usado pelo ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (MDB-PR), o Ministério Público Federal pediu para que a veracidade de várias mensagens do ex-deputado sejam verificadas; o procurador Deltan Dallagnol quer saber se há sinais de adulteração ou falsificação das mensagens e se estavam instaladas no aplicativo usado por Cunha

Após Sergio Moro determinar nova perícia no telefone usado pelo ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (MDB-PR), o Ministério Público Federal pediu para que a veracidade de várias mensagens do ex-deputado sejam verificadas; o procurador Deltan Dallagnol quer saber se há sinais de adulteração ou falsificação das mensagens e se estavam instaladas no aplicativo usado por Cunha
Após Sergio Moro determinar nova perícia no telefone usado pelo ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (MDB-PR), o Ministério Público Federal pediu para que a veracidade de várias mensagens do ex-deputado sejam verificadas; o procurador Deltan Dallagnol quer saber se há sinais de adulteração ou falsificação das mensagens e se estavam instaladas no aplicativo usado por Cunha (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Paraná 247 - Após Sergio Moro determinar nova perícia no telefone usado pelo ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (MDB-PR), o Ministério Público Federal pediu para que a veracidade de várias mensagens do ex-deputado sejam verificadas. A informação foi publicada nesta segunda-feira (30) pela coluna Radar. O procurador Deltan Dallagnol quer saber se há sinais de adulteração ou falsificação das mensagens, assim como se realmente estavam instaladas no aplicativo usado por Cunha.

O ex-parlamentar está preso desde outubro de 2016 por decisão de Moro, após ser denunciado por recebimento de propina ligada ao esquema de corrupção na Petrobras.

O emedebista também é réu em processo que tramita na 10ª Vara Federal de Brasília, no qual ele é acusado de ter atuado num esquema de propina em um fundo de investimento ligado ao FGTS.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247