DCM: jornal espanhol segue pista de Tacla Duran e comprova corrupção no Panamá

Reportagem do jornal espanhol El País sobre propinas da Odebrecht no Panamá reforça a credibilidade das denúncias de Rodrigo Tacla Durán; o advogado espanhol acusa o advogado Carlos Zucolotto, amigo de Sérgio Moro e sócio de Rosângela Moro em escritório de advocacia, de tentar vender "facilidades" na Lava Jato 

Reportagem do jornal espanhol El País sobre propinas da Odebrecht no Panamá reforça a credibilidade das denúncias de Rodrigo Tacla Durán; o advogado espanhol acusa o advogado Carlos Zucolotto, amigo de Sérgio Moro e sócio de Rosângela Moro em escritório de advocacia, de tentar vender "facilidades" na Lava Jato 
Reportagem do jornal espanhol El País sobre propinas da Odebrecht no Panamá reforça a credibilidade das denúncias de Rodrigo Tacla Durán; o advogado espanhol acusa o advogado Carlos Zucolotto, amigo de Sérgio Moro e sócio de Rosângela Moro em escritório de advocacia, de tentar vender "facilidades" na Lava Jato  (Foto: Charles Nisz)

247 - O jornal El País foi atrás de uma pista dada por Rodrigo Tacla Durán sobre corrupção no Panamá e comprovou que a dica era quente. Reportagem publicada nesta quinta-feira, (07) mostra que a Odebrecht abriu conta no Banco Privada de Andorra, paraíso fiscal da Europa, em nome dos pais de um dos homens fortes do ex-presidente do Panamá Ricardo Martinelli, que governou o país entre 2009 e 2014.

Segundo o jornal, os pais do ex-ministro panamenho receberam depósitos de 10 milhões de dólares, o equivalente a 32 milhões de reais. O ex-ministro panamenho foi confrontado com a informação e confirmou a existência da conta, mas disse que era fruto de negócios lícitos.

Para os brasileiros, a reportagem tem importância não apenas porque envolve o nome da Odebrecht, mas principalmente porque reforça a credibilidade das denúncias de Rodrigo Tacla Durán, escreve Joaquim de Carvalho no Diário do Centro do Mundo. Há alguns dias, a coluna da jornalista Mônica Bergamo informou que Durán está escrevendo um livro em que narra o episódio no qual o advogado Carlos Zucolotto Júnior, amigo de Sérgio Moro, que dividiu escritório com a esposa do juiz, tentou lhe vender facilidades na Lava Jato.

Moro, embora não tenha sido acusado diretamente por Tacla Durán, saiu em defesa do advogado Zucolotto, através de nota: “Lamentável que a palavra de um foragido da Justiça brasileira seja utilizada para levantar suspeitas infundadas sobre a atuação da Justiça”, diz a nota assinada pelo juiz. Segundo Moro,  o relato de Durán era “absolutamente falso” e Zucolotto, padrinho de seu casamento, é “profissional sério e competente”.

O DCM divulgou com exclusividade a informação de que, em documento apresentado à Receita Federal, o escritório de Rodrigo Tacla Durán no Brasil confirmou ter feito pagamentos a Zucolotto e a Rosângela Moro, esposa do juiz, mas não mencionou as razões desses pagamentos, com a alegação de que contratos entre advogados são protegidos por sigilo profissional.

Leia a íntegra da matéria no site do DCM

 

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247