Defesa de filho de Lula pede anulação e retirada de caso da Lava Jato de Curitiba

Advogados de Fábio Luís Lula da Silva, filho do ex-presidente Lula, pediram nesta sexta-feira (13) que a investigação da 69ª fase da Lava Jato seja retirada de Curitiba. Segundo a defesa, o caso já foi sujeito a investigação criminal em São Paulo e foi arquivado pelo MPF no estado por falta de provas

Lula e Fábio Luís Lula da Silva
Lula e Fábio Luís Lula da Silva (Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A defesa de Fábio Luís Lula da Silva, filho do ex-presidente Lula, pediu nesta sexta-feira (13) ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região que retire a investigação da 69ª fase da Lava Jato da vara federal de Curitiba e anule a decisão judicial que a decretou, informa a Folha de S.Paulo.

No pedido ao juiz João Pedro Gebran Neto, os advogados argumentam que "o caso já foi sujeito a investigação criminal que tramitou em São Paulo por determinação do Superior Tribunal de Justiça. O inquérito, na ocasião, foi arquivado pelo Ministério Público Federal no estado por falta de provas. Eles alegam que qualquer nova investigação sobre o tema só pode ser feita no mesmo local", diz a reportagem.

Também afirmam que "nada há na fase 69ª da Operação Lava Jato que aponte algum mínimo resquício de fraude ou desvio na Petrobras".

"A competência da 13ª Vara Federal de Curitiba está restrita a ilícitos envolvendo a Petrobras, ao passo que a 69ª Fase da Lava Jato, à toda evidência, investiga supostos ilícitos envolvendo o setor de telecomunicações, sem nenhuma relação com óleo e gás", diz a defesa.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247