Em Curitiba, juíza diz que réu é 'seguramente criminoso em razão da sua raça'

A advogada de defesa do réu afirmou que irá recorrer da sentença. "A raça dele não pode, de maneira alguma, ser relacionada com os fatos que ele supostamente praticou"

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em decisão de condenar sete pessoas por organização criminosa, a juíza Inês Marchalek Zarpelon, da 1ª Vara Criminal de Curitiba, mencionou a raça de um dos réus para justificar a sentença.

O documento da sentença diz que o grupo criminoso fazia assaltos e roubava celulares no centro de Curitiba.

"Seguramente integrante do grupo criminoso, em razão da sua raça, agia de forma extremamente discreta os delitos e o seu comportamento, juntamente com os demais, causavam o desassossego e a desesperança da população, pelo que deve ser valorada negativamente (sic)", afirmou Inês.

A magistrada condenou Natan Vieira da Paz, de 42 anos, a 14 anos e dois meses de prisão por organização criminosa e pelos delitos cometidos no centro da cidade.

A advogada de Natan Vieira, Thayse Pozzobon, disse que vai recorrer da decisão. "A raça dele não pode, de maneira alguma, ser relacionada com os fatos que ele supostamente praticou".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247