Em seu voto, Gebran disse que pouco importa a propriedade formal do sítio de Atibaia

“Não é de fundamental importância a propriedade formal do ex-presidente Lula e material do Fernando Bittar, ou material de Lula e formal de Bittar”, afirmou o desembargador. “O que me parece relevante é que o presidente Lula usou o imóvel”

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em uma interpretação que parece um tanto contraditória para o processo, uma vez que o ex-presidente Lula foi condenado porque teria recebido como vantagem reformas em um sítio de Atibaia, o desembargador João Pedro Gebran Neto, relator da Lava Jato no TRF-4, disse em seu voto nesta quarta-feira 27 que pouco importa se o sítio pertencia a Lula.

“Não é de fundamental importância a propriedade formal do ex-presidente Lula e material do Fernando Bittar, ou material de Lula e formal de Bittar”, afirmou. “O que me parece relevante é que o presidente Lula usou o imóvel", disse. A defesa do ex-presidente nega as acusações e lembra que o sítio pertence ao empresário Fernando Bittar, amigo de Lula.

No julgamento desta quarta, o Tribunal manteve a condenação de Lula em primeira instância, em sentença assinada pela juíza Gabriela Hardt, e elevou sua pena de 12 anos e 11 meses de prisão para 17 anos, 1 mês e 10 dias de prisão.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247