Força-tarefa diz que não há como recuperar histórico de mensagens

Procuradores afirmam em nota que o histórico de mensagens trocadas por eles não pode mais ser recuperado, pois não há mais registro no celular nem na nuvem do Telegram

Procuradores, que dizem ser alvo de hackers, não entregaram celulares para perícia da PF
Procuradores, que dizem ser alvo de hackers, não entregaram celulares para perícia da PF (Foto: Fernando Fraz�o/Ag�ncia Brasil)

247 - Procuradores da força-tarefa da Lava Jato afirmam em nota divulgada nesta quarta-feira 19 por meio do Ministério Público  que o histórico de mensagens trocadas por eles não pode mais ser recuperado, pois não há mais registro no celular nem na nuvem do aplicativo Telegram. 

A força-tarefa reforça a tese de que os aparelhos de alguns integrantes da força-tarefa foram invadidos por hackers. Desde abril, segundo a nota, vários deles teriam constatado ataques criminosos às suas contas, inclusive com sequestro de identidade virtual.

No entanto, o Telegram informa, em sua política de privacidade, que as mensagens só são excluídas dos servidores caso o interlocutor da pessoa - nesse caso o ministro da Justiça, Sergio Moro - também delete as mensagens. 

As mensagens de Moro, por exemplo, que ele afirmou não ter mais durante audiência na CCJ do Senado nesta quarta-feira, podem estar salvas em um servidor, portanto, se o procurador Deltan Dallagnol, com quem o ex-juiz conversou pelo aplicativo, não as tiver deletado.

Em seu depoimento, Moro disse que seu celular teria sido "clonado" por "criminosos" recentemente. As mensagens divulgadas pelo site The Intercept, porém, entre Moro e Deltan, até o momento são de 2016.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247