Gleisi diz no STF ser “vítima de perseguição política do PSDB”

A senadora Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT, afirmou nesta segunda-feira (28), em depoimento no STF, que está sendo vítima de perseguição política do PSDB; “Eu sou vítima de perseguição política em razão da origem desse processo com Alberto Youssef e o seu advogado que foi assessor no governo de Beto Richa, do PSDB”, declarou, segundo o jornalista Esmael Morais

gleisi
gleisi (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Esmael Morais - A senadora Gleisi Hoffmann, presidenta nacional do PT, afirmou nesta segunda-feira (28), em depoimento no STF, que está sendo vítima de perseguição política do PSDB.

“Eu sou vítima de perseguição política em razão da origem desse processo com Alberto Youssef e o seu advogado que foi assessor no governo de Beto Richa, do PSDB”, declarou ao final do depoimento na ação penal da lava jato.

A petista denunciou que foi denunciada em um processo que tinha um alto grau de politização e muita influência no Judiciário, incluindo o Ministério Público, pela opinião pública, “o que é um erro”, segundo ela.

Gleisi informou que negou no depoimento o que estão lhe acusando e disse pediu para que o Ministério Público mostre quais são as provas de que ela cometeu corrupção passiva ou lavagem de dinheiro.

“Primeiro porque eu não tive contato com Paulo Roberto Costa [ex-diretor da Petrobras], nunca tive ascendência na Petrobras, nunca facilitei ou dei condições ou me relacionei com fornecedores da Petrobras para beneficiá-los. Isso teria que estar caracterizado no processo para estarem me acusando como estão”, garantiu a senadora.

Gleisi reclamou que está há três anos apanhando nesse processo, pois, de acordo com ela, não tem uma prova de que tenha cometido qualquer crime. “Estou sendo julgada e condenada antecipadamente”.

A presidenta do PT, bem como o marido ela, o ex-ministro Paulo Bernardo, foram ouvidos hoje por juízes auxiliares do ministro Edson Fachin, relator da lava jato no Supremo.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247