Gleisi pede “reforma trabalhista” para Dallagnol

"Aqui cabe reforma trabalhista: salário alto, estabilidade no emprego, duas férias por ano, auxílios diversos e ainda cobram p/ dar palestras", postou a senadora no Twitter, ao compartilhar imagem do site do procurador da República Deltan Dallagnol, que cobra de R$ 30 a R$ 40 mil por suas palestras

"Aqui cabe reforma trabalhista: salário alto, estabilidade no emprego, duas férias por ano, auxílios diversos e ainda cobram p/ dar palestras", postou a senadora no Twitter, ao compartilhar imagem do site do procurador da República Deltan Dallagnol, que cobra de R$ 30 a R$ 40 mil por suas palestras
"Aqui cabe reforma trabalhista: salário alto, estabilidade no emprego, duas férias por ano, auxílios diversos e ainda cobram p/ dar palestras", postou a senadora no Twitter, ao compartilhar imagem do site do procurador da República Deltan Dallagnol, que cobra de R$ 30 a R$ 40 mil por suas palestras (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Paraná 247 - A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), presidente nacional do PT, pediu "reforma trabalhista" em cima do procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Lava Jato.

"Aqui cabe reforma trabalhista: salário alto, estabilidade no emprego, duas férias por ano, auxílios diversos e ainda cobram p/ dar palestras", postou a senadora no Twitter, ao compartilhar imagem do site do procurador, que cobra de R$ 30 a R$ 40 mil por suas palestras.

A empresa Motiveação, que vende palestras de Dallagnol, retirou a página do ar a pedido do procurador. Ele se defendeu da polêmica em seu Facebook, dizendo que a maioria de suas palestras é gratuita.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email