Gleisi vence ação contra ofensas e calúnias publicadas na internet

A Paiaiá Comunicação Ltda., empresa proprietária de uma emissora de rádio FM da Bahia, teve de se retratar publicamente pela reprodução de ofensas dirigidas à presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR); “Manifestamos nosso profundo lamento pelo ocorrido e pedimos desculpas e nos solidarizamos à Senhora Senadora Gleisi Hoffmann pelos danos acusados à sua honra e de sua família, bem assim, a todos as pessoas que se sentiram ofendidas em face da veiculação da desonrosa matéria”

www.brasil247.com - A Paiaiá Comunicação Ltda., empresa proprietária de uma emissora de rádio FM da Bahia, teve de se retratar publicamente pela reprodução de ofensas dirigidas à presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR); “Manifestamos nosso profundo lamento pelo ocorrido e pedimos desculpas e nos solidarizamos à Senhora Senadora Gleisi Hoffmann pelos danos acusados à sua honra e de sua família, bem assim, a todos as pessoas que se sentiram ofendidas em face da veiculação da desonrosa matéria”
A Paiaiá Comunicação Ltda., empresa proprietária de uma emissora de rádio FM da Bahia, teve de se retratar publicamente pela reprodução de ofensas dirigidas à presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR); “Manifestamos nosso profundo lamento pelo ocorrido e pedimos desculpas e nos solidarizamos à Senhora Senadora Gleisi Hoffmann pelos danos acusados à sua honra e de sua família, bem assim, a todos as pessoas que se sentiram ofendidas em face da veiculação da desonrosa matéria” (Foto: Leonardo Lucena)


Paraná 247 - A presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), ganhou mais uma ação na Justiça contra autores de ofensas, calúnias, difamações e pela postagem de notícias falsas (as chamadas 'fake news') contra a parlamentar, divulgadas em veículos de informação e na internet. Desta vez, a Paiaiá Comunicação Ltda., empresa proprietária de uma emissora de rádio FM da Bahia, teve de se retratar publicamente pela reprodução de ofensas dirigidas à congressista.

Diz o termo de retratação que foi publicado no site da rádio: “reproduzimos em nosso site matéria com conteúdo ofensivo a Senadora Gleisi Hoffmann, informações inverídicas e a prática de atos que não correspondem à verdade. A referida matéria continha ofensas, adjetivos vulgares e misóginos, capazes de macular a idoneidade privada e pessoal da Senadora Gleisi Hoffmann, bem como das mulheres em geral, pois contribuem para banalizar o machismo, a misoginia e a violência de gênero, além de citar atributos fisícos da Senhora Senadora acima nominada”.

Segundo a retratação, a empresa reconhece que errou ao reproduzir matéria que em nada contribui para a coletividade e que extrapola a liberdade de expressão. “Manifestamos nosso profundo lamento pelo ocorrido e pedimos desculpas e nos solidarizamos à Senhora Senadora Gleisi Hoffmann pelos danos acusados à sua honra e de sua família, bem assim, a todos as pessoas que se sentiram ofendidas em face da veiculação da desonrosa matéria”.

De acordo com os termos do acordo de retratação pública, a Paiaiá Comunicação Ltda se comprometeu a reestabelecer a verdade dos fatos e a pagar indenização por danos morais no valor de cinco salários mínimos (R$ 4.770,00), que será revertida em favor da Cooperativa de Catadores de Materiais Recicláveis de Curitiba e Região Metropolitana - Catamare.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Fake news” saem do anonimato para a responsabilização

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O caso da Paiaiá FM não é o primeiro de retratação pública em favor da senadora Gleisi Hoffmann. Uma série de decisões recentes, favoráveis ao Partido dos Trabalhadores (PT) e à senadora Gleisi Hoffmann, impõem limites para quem extrapola a liberdade de expressão do pensamento e viola, por meio de postagens caluniosas, falsas e difamatórias em blogues e redes sociais, os direitos da pessoa e da comunidade. As chamadas "fake news" ou notícias falsas divulgadas nas redes têm punição, sim.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Fábio Cotrim Lima publicou em sua página do Facebook, no último dia 4 de maio, uma retração às ofensas, agressões e injúrias de caráter misógino, proferidas contra Gleisi. Já Evaldo Haddad Fenerich, o Ucho Haddad, foi condenado a indenizar a parlamentar do Paraná em dez mil reais por danos morais. Há anos, ele age como um disseminador contumaz de fakenews, calúnias e difamações contra Gleisi na internet.

Recentemente também, a Procuradoria Geral da República (PGR) arquivou uma notícia de fato baseada em queixas do deputado federal Major Olímpio, que alardeou preconceitos e ignorâncias com relação ao fato da senadora ter concedido entrevista à TV Al Jazeera, do Catar, para denunciar a perseguição política do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o golpe de estado em curso no País e defender a liberdade e o direito de Lula ser candidato em 2018.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A decisão de arquivar tal representação abre precedente para invalidar outras reclamações de adversários sobre o mesmo assunto. Tanto que a senadora também move notícias de crime na própria PGR contra os autores das demais queixas, por representarem, estas sim, um “atentado” de ignorância, má fé, de preconceito e intolerância contra o povo árabe.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email