Governo não desiste do dinheiro da Previdência

O governo Beto Richa (PSDB) quer resolver seu problema de caixa a custas dos recursos do fundo previdenciário dos servidores do Paraná; o tucano recuou do "regime de urgência" para tramitar o projeto, mas não desistiu de confiscar mensalmente R$ 140 milhões da poupança do funcionalismo estadual; ato marcado por iniciativa do deputado Luiz Cláudio Romanelli (PMDB), líder de Richa na Assembleia, ocorre na CCJ (Comissão de Constituição de Justiça) para defender o novo modelo proposto pelo Palácio Iguaçu

O governo Beto Richa (PSDB) quer resolver seu problema de caixa a custas dos recursos do fundo previdenciário dos servidores do Paraná; o tucano recuou do "regime de urgência" para tramitar o projeto, mas não desistiu de confiscar mensalmente R$ 140 milhões da poupança do funcionalismo estadual; ato marcado por iniciativa do deputado Luiz Cláudio Romanelli (PMDB), líder de Richa na Assembleia, ocorre na CCJ (Comissão de Constituição de Justiça) para defender o novo modelo proposto pelo Palácio Iguaçu
O governo Beto Richa (PSDB) quer resolver seu problema de caixa a custas dos recursos do fundo previdenciário dos servidores do Paraná; o tucano recuou do "regime de urgência" para tramitar o projeto, mas não desistiu de confiscar mensalmente R$ 140 milhões da poupança do funcionalismo estadual; ato marcado por iniciativa do deputado Luiz Cláudio Romanelli (PMDB), líder de Richa na Assembleia, ocorre na CCJ (Comissão de Constituição de Justiça) para defender o novo modelo proposto pelo Palácio Iguaçu (Foto: Leonardo Lucena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Blog do Esmael - O governo Beto Richa (PSDB) quer resolver seu problema de caixa a custas dos recursos do fundo previdenciário dos servidores do Paraná. Ontem (13), o tucano recuou do "regime de urgência" para tramitar o projeto, mas não desistiu de confiscar mensalmente R$ 140 milhões da poupança do funcionalismo estadual.

Ato contínuo, hoje, às 13h30, por iniciativa do deputado Luiz Cláudio Romanelli (PMDB), líder de Richa na Assembleia, o criador da Paranáprevidência, Renato Follador, vai à CCJ (Comissão de Constituição de Justiça) defender o novo modelo proposto pelo Palácio Iguaçu.

Romanelli acredita que já dobrou a resistência do Fórum de Entidades Sindicais (FES) ao novo texto do projeto, entretanto, nesta terça (14), ao menos quatro universidades estaduais paralisaram suas atividades em advertência à tungada na poupança previdenciária.

Paralelamente à correlação de forças nas entidades e nas ruas, há também o jogo nas bancadas da Assembleia. O líder governista tem enfrentado resistência dentro do PMDB, o que é natural, e nos partidos da base aliada — a exemplo do PSDB e PV — que ameaçam não acompanhá-lo nas votações de interesse de Richa.

A bancada do camburão, aquela formada pelos 34 deputados que pegaram carona dentro do caveirão da PM, além de reclamar da escassez da quirela distribuída pelo governo, também teme consequências "desastrosas" para seus mandatos se continuarem votando contra a opinião pública e os servidores.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247