Lava Jato: em quatro ações, propinas chegam a R$ 200 mi

No despacho em que decretou a prisão preventiva do lobista João Augusto Rezende Henriques, apontado como operador do PMDB no esquema, o juiz Sérgio Moro afirmou que em apenas quatro ações criminais já julgadas na Operação Lava Jato foram identificados pagamentos de R$ 200.595.035,94 em propinas relativas a contatos nas diretorias de Abastecimento e de Serviços da estatal; montante envolve contratos da Camargo Correa e a OAS

No despacho em que decretou a prisão preventiva do lobista João Augusto Rezende Henriques, apontado como operador do PMDB no esquema, o juiz Sérgio Moro afirmou que em apenas quatro ações criminais já julgadas na Operação Lava Jato foram identificados pagamentos de R$ 200.595.035,94 em propinas relativas a contatos nas diretorias de Abastecimento e de Serviços da estatal; montante envolve contratos da Camargo Correa e a OAS
No despacho em que decretou a prisão preventiva do lobista João Augusto Rezende Henriques, apontado como operador do PMDB no esquema, o juiz Sérgio Moro afirmou que em apenas quatro ações criminais já julgadas na Operação Lava Jato foram identificados pagamentos de R$ 200.595.035,94 em propinas relativas a contatos nas diretorias de Abastecimento e de Serviços da estatal; montante envolve contratos da Camargo Correa e a OAS (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Paraná 247 - No despacho em que decretou a prisão preventiva do lobista João Augusto Rezende Henriques, apontado como operador do PMDB na arrecadação de propinas em contratos da Petrobras, o juiz Sérgio Moro afirmou que em apenas quatro ações criminais já julgadas na Operação Lava Jato, foram identificados pagamentos de R$ 200.595.035,94 em propinas relativas a contatos nas diretorias de Abastecimento e de Serviços da estatal. 

O montante envolve contratos duas das maiores empreiteiras do País, a Camargo Correa e a OAS. Os valores teriam sido recebidos pelo ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, pelos ex-diretores Renato Duque (Serviços), Nestor Cerveró (Internacional) e Paulo Roberto Costa (Abastecimento) e pelo ex-gerente de Engenharia da companhia Pedro Barusco.

No despacho da prisão preventiva de João Henriques, que disse à Polícia Federal que abriu uma conta na Suíça para realizar o pagamento de propina ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) (leia aqui), Sérgio Moro escreve que intermediaram o pagamento das propinas e se encarregaram da lavagem de dinheiro o doleiro Alberto Youssef, o empresário Júlio Camargo e os lobistas Mário Góes, Adir Assad e Fernando "Baiano" Soares, ligado ao PMDB. Youssef, Camargo, Góes e Baiano são delatores na investigação.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247