Moro aceita denúncia contra ex-tesoureiro do PP

De acordo com a denúncia apresentada pelo MPF, João Cláudio Genu, como ex-assessor do ex-deputado federal José Janene, falecido em 2010, era um dos beneficiários e articuladores do esquema de desvio de recursos da Petrobras, recebendo um percentual fixo da propina destinada ao PP; ele está preso na PF de Curitiba; o juiz Sérgio Moro também aceitou denúncia contra outros três investigados na 29ª fase da Operação Lava Jato

De acordo com a denúncia apresentada pelo MPF, João Cláudio Genu, como ex-assessor do ex-deputado federal José Janene, falecido em 2010, era um dos beneficiários e articuladores do esquema de desvio de recursos da Petrobras, recebendo um percentual fixo da propina destinada ao PP; ele está preso na PF de Curitiba; o juiz Sérgio Moro também aceitou denúncia contra outros três investigados na 29ª fase da Operação Lava Jato
De acordo com a denúncia apresentada pelo MPF, João Cláudio Genu, como ex-assessor do ex-deputado federal José Janene, falecido em 2010, era um dos beneficiários e articuladores do esquema de desvio de recursos da Petrobras, recebendo um percentual fixo da propina destinada ao PP; ele está preso na PF de Curitiba; o juiz Sérgio Moro também aceitou denúncia contra outros três investigados na 29ª fase da Operação Lava Jato (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

André Richter – Repórter da Agência Brasil

O juiz federal Sérgio Moro aceitou hoje (28) denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF) contra o ex-tesoureiro do PP João Claudio Genu e mais três investigados na 29ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada no mês passado. Com a decisão, os investigados passaram à condição de réus na Lava Jato.

De acordo com a denúncia apresentada pelo MPF, Genu, como ex-assessor do ex-deputado federal José Janene, falecido em 2010, era um dos beneficiários e articuladores do esquema de desvio de recursos da Petrobras, recebendo um percentual fixo da propina destinada ao PP. Pelas acusações, o ex-tesoureiro está preso na sede da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba.

Genu é acusado de receber R$ 6 milhões em propina desviada de contratos da estatal. Segundo as investigações, Genu recebia 5% das propinas acertadas na Diretoria de Abastecimento da Petrobras, na época dos fatos comandada por Paulo Roberto Costa, um dos delatores do esquema de corrupção na empresa.

Na decisão, Moro destacou que "há provas decorrentes de depoimentos de criminosos colaboradores, além de mensagens eletrônicas que indicam a cobrança e o pagamento da vantagem indevida".

A denúncia foi apresentada na semana passada pela força-tarefa de procuradores que atuam na Lava Jato. Na ocasião, o PP reiterou que não compactua com atos ilícitos e acredita no trabalho da Justiça para esclarecer os fatos".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247