Moro anuncia Lava Jato além da Petrobras

O juiz Sergio Moro, que conduz a Operação Lava Jato, anunciou nesta terça-feira que já investiga supostos esquemas de corrupção fora da Petrobras; não, não se trata da Cemig, onde o doleiro Alberto Youssef também atuou; segundo o juiz, o foco é o empresário Ricardo Pessoa, dono da UTC Engenharia; “Obteve o MPF informação sobre o envolvimento da UTC Engenharia e de Ricardo Pessoa em ainda outro pagamento de propina em contrato público durante 2014 e em outro setor que não o de óleo e gás”, disse o juiz; força-tarefa tenta manter Pessoa preso na esperança de que ele faça uma delação premiada contra a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula; para a defesa do empresário, a acusação do MPF, na qual Pessoa é apontado como líder do cartel, é "um vazio sem fim"

O juiz Sergio Moro, que conduz a Operação Lava Jato, anunciou nesta terça-feira que já investiga supostos esquemas de corrupção fora da Petrobras; não, não se trata da Cemig, onde o doleiro Alberto Youssef também atuou; segundo o juiz, o foco é o empresário Ricardo Pessoa, dono da UTC Engenharia; “Obteve o MPF informação sobre o envolvimento da UTC Engenharia e de Ricardo Pessoa em ainda outro pagamento de propina em contrato público durante 2014 e em outro setor que não o de óleo e gás”, disse o juiz; força-tarefa tenta manter Pessoa preso na esperança de que ele faça uma delação premiada contra a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula; para a defesa do empresário, a acusação do MPF, na qual Pessoa é apontado como líder do cartel, é "um vazio sem fim"
O juiz Sergio Moro, que conduz a Operação Lava Jato, anunciou nesta terça-feira que já investiga supostos esquemas de corrupção fora da Petrobras; não, não se trata da Cemig, onde o doleiro Alberto Youssef também atuou; segundo o juiz, o foco é o empresário Ricardo Pessoa, dono da UTC Engenharia; “Obteve o MPF informação sobre o envolvimento da UTC Engenharia e de Ricardo Pessoa em ainda outro pagamento de propina em contrato público durante 2014 e em outro setor que não o de óleo e gás”, disse o juiz; força-tarefa tenta manter Pessoa preso na esperança de que ele faça uma delação premiada contra a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula; para a defesa do empresário, a acusação do MPF, na qual Pessoa é apontado como líder do cartel, é "um vazio sem fim" (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Paraná 247 - O juiz Sergio Moro, que conduz a Operação Lava Jato, anunciou um novo foco de investigações além da Petrobras. Não se trata da estatal mineira Cemig, onde o próprio Moro detectou uma operação suspeita (leia aqui).

O foco de Moro é o empresário Ricardo Pessoa, acionista da UTC, que está preso de forma preventiva há quase 120 dias. “Obteve o MPF informação sobre o envolvimento da UTC Engenharia e de Ricardo Pessoa em ainda outro pagamento de propina em contrato público durante 2014 e em outro setor que não o de óleo e gás. Ou seja, mesmo durante as investigações já tornadas notórias da Operação Lava Jato, negociava-se o pagamento de propina por contratos públicos em outras áreas”, disse Moro.

Com a ameaça de uma nova prisão, a força-tarefa da Lava Jato tenta convencer Pessoa a realizar uma delação premiada contra o governo da presidente Dilma Rousseff ou contra o ex-presidente Lula. Até agora, no entanto, Pessoa vem resistindo à pressão.

À Justiça Federal, os advogados de Ricardo Pessoa afirmaram que nunca existiu um "clube de empreiteiras" para dividir contratos com a Petrobras. Para a defesa, a acusação do MPF, na qual Pessoa é apontado como líder do cartel, é "um vazio sem fim".

Leia, abaixo, reportagem da Agência Brasil sobre o novo foco de investigações de Moro:

 
André Richter - Repórter da Agência Brasil 

O juiz federal Sérgio Moro disse hoje (7) que o Ministério Público Federal  (MPF) investiga se o esquema de corrupção na Petrobras, apurado na Operação Lava Jato, se estendeu para outros setores da economia.  Segundo o juiz, responsável pela investigação na primeira instância da Justiça, o MPF investiga o envolvimento do presidente da empreiteira UTC, Ricardo Pessoa, preso desde novembro do ano passado, no pagamento de propina fora do setor de óleo e gás.

A informação consta no pedido de esclarecimento solicitado pelo ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), para julgar o mérito do habeas corpus impetrado pela defesa de Pessoa.  De acordo com Moro, o empreiteiro deve continuar preso, principalmente, pelos indícios que apontam pagamento de propina, no ano passado, quando a Lava Jato foi deflagrada.

“Obteve o MPF informação sobre o envolvimento da UTC Engenharia e de Ricardo Pessoa em ainda outro pagamento de propina em contrato público durante 2014 e em outro setor que não o de óleo e gás. Ou seja, mesmo durante as investigações já tornadas notórias da Operação Lava Jato, negociava-se o pagamento de propina por contratos públicos em outras áreas”, disse o juiz.

No documento, Moro também diz que houve tentativas de influenciar testemunhas dos pagamentos de propina, como Meire Pozza, ex-contadora do doleiro Alberto Youssef, e  João Procópio e Rafael Angulo Lopez, responsáveis pela entrega dos pagamentos.

“A testemunha, após ser arrolada, é da Justiça, interessando que fale a verdade, e não mais da acusação ou da defesa. Sem olvidar ainda que serão também interrogados não só Ricardo Pessoa, mas também coacusados, devendo-se prevenir influências indevidas entre eles para uma concertação fraudulenta de álibis ou mesmo que algum deles, desejoso eventualmente de confessar, se veja impedido por pressão indevida dos demais”, diz Moro.

Ricardo Pessoa é réu em duas ações penais na Justiça Federal em Curitiba, nas quais é acusado pelo Ministério Público Federal (MPF) de coordenar o funcionamento do cartel entre as empreiteiras que tinham contratos com a Petrobras.

À Justiça Federal, os advogados de Ricardo Pessoa afirmaram que nunca existiu um "clube de empreiteiras" para dividir contratos com a Petrobras. Para a defesa, a acusação do MPF, na qual Pessoa é apontado como líder do cartel, é "um vazio sem fim".

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247