MPF diz a Moro que obteve acesso ao sistema de propinas da Odebrecht

Ministério Público Federal informou ao juiz Sérgio Moro que conseguiu acesso aos sistemas Drousys e My Web Day, utilizados pela Odebrecht para gerenciar a contabilidade paralela e o pagamento de propinas, no último dia 8 de agosto; o órgão diz ter recebido cinco discos rígidos com cópias forenses fornecidas pelas autoridades da Suíça; a informação foi anexada ao processo contra Lula; defesa do ex-presidente vem pedido a Moro acesso ao sistema que os advogados asseguram não ter o nome do petista

Ministério Público Federal informou ao juiz Sérgio Moro que conseguiu acesso aos sistemas Drousys e My Web Day, utilizados pela Odebrecht para gerenciar a contabilidade paralela e o pagamento de propinas, no último dia 8 de agosto; o órgão diz ter recebido cinco discos rígidos com cópias forenses fornecidas pelas autoridades da Suíça; a informação foi anexada ao processo contra Lula; defesa do ex-presidente vem pedido a Moro acesso ao sistema que os advogados asseguram não ter o nome do petista
Ministério Público Federal informou ao juiz Sérgio Moro que conseguiu acesso aos sistemas Drousys e My Web Day, utilizados pela Odebrecht para gerenciar a contabilidade paralela e o pagamento de propinas, no último dia 8 de agosto; o órgão diz ter recebido cinco discos rígidos com cópias forenses fornecidas pelas autoridades da Suíça; a informação foi anexada ao processo contra Lula; defesa do ex-presidente vem pedido a Moro acesso ao sistema que os advogados asseguram não ter o nome do petista (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Paraná 247 - O Ministério Público Federal (MPF) informou ao juiz Sérgio Moro que conseguiu acesso aos sistemas Drousys e My Web Day, que eram utilizados pelo grupo Odebrecht para gerenciar a contabilidade paralela e o pagamento de propinas por parte da empresa.

O MPF assegura ter recebido cinco discos rígidos com cópias forenses fornecidas pelas autoridades da Suíça, que estavam hospedadas em um servidor daquele país.

A informação foi anexada ao processo contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que trata de supostas vantagens indevidas que teriam sido recebidas por ele com a compra de um imóvel para a construção da sede do Instituto Lula e uma cobertura vizinha ao apartamento onde mora, em São Bernardo do Campo.

Nesta semana, os advogados de Lula afirmaram que os procuradores da força-tarefa da Operação Lava Jato disseram que a Odebrecht teria usado recurso do Setor de Operações Estruturadas, que ficou conhecido como o departamento de propina da empreiteira, para beneficiar o ex-presidente, contudo, sem que o "caminho do dinheiro" fosse indicado.

Ainda de acordo com o MPF, o material está sendo avaliado pela Secretaria de Pesquisa e Análise da Procuradoria Geral da República. A força tarefa, porém, disse que a ação que envolve a compra do imóvel para o Instituto Lula não foi realizada com nenhuma informação obtida por meio do sistema My Web Day.

Os advogados de Lula já pediram mais de uma vez a Moro acesso ao sistema e também a anulação da ação. Caso isso não fosse possível, a defesa pediu que ela fosse paralisada à espera da conclusão das investigações sobre o sítio de Atibaia, cuja propriedade é atribuída ao ex-presidente, e que tramitam no Supremo Tribunal Federal.

Na última resposta aos advogados de Lula, Moro disse que a defesa deveria ter "fé" na palavra do Ministério Público, que afirmava não ter tido acesso ao sistema de propinas.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247