Para MP, só vale delação se for contra Lula

Procuradores da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba mandaram um recado aos executivos do Grupo Odebrecht; sinalizaram praticamente como condição 'sine qua non' que Marcelo Odebrecht e outros diretores revelem dados sobre os pagamentos de palestras, doações e reformas feitas em benefício do ex-presidente Lula; eles querem ainda que os empreiteiros confessem a "contabilidade paralela" da construtora, além de mais detalhes sobre a corrupção em outras obras e áreas do governo; potencial bélico de uma delação generalizada na Odebrecht, entretanto, pode ir além do governo e atingir em cheio a cúpula da oposição; "amostra grátis" foi a divulgação do "listão da Odebrecht", que traz os nomes dos principais articuladores do impeachment da presidente Dilma Rousseff

Odebrecht
Odebrecht (Foto: Aquiles Lins)

Paraná 247 - Em reação à divulgação pelo Grupo Odebrecht de que seus executivos da empresa de fechar uma colaboração efetiva com os investigadores, em busca de redução de pena, os procuradores do Ministério Público Federal praticamente sinalizaram como condição 'sine qua non' que Marcelo Odebrecht e outros diretores revelem dados sobre os pagamentos de palestras, doações e reformas feitas em benefício do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Deltan Dallagnol, Carlos Fernando dos Santos Lima e outros procuradores querem confissões sobre a "contabilidade paralela" da construtora, destinada a pagar propina políticos de praticamente todos os partidos, além de mais detalhes sobre a corrupção em outras obras e áreas do governo. Entre elas estão o setor de plataformas na Petrobras, o estádio Itaquerão, em São Paulo, e o Porto Maravilha, no Rio.

O potencial bélico de uma delação generalizada na Odebrecht pode por em risco a sobrevivência de vários caciques políticos, incluindo a cúpula da oposição que articula o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Uma "amostra grátis" foi a divulgação do "listão da Odebrecht", que traz os nomes de peso como os senadores Aécio Neves, José Serra, Agripino Maia, Cássio Cunha Lima, além dos presidentes da Câmara, Eduardo Cunha, e do Senado, Renan Calheiros. Tanto a presidente Dilma Rousseff quanto o ex-presidente Lula não aparecem na lista. 

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247