Para procurador, MP da leniência permitirá recursos ilícitos a partidos

Segundo o procurador regional da República Carlos Fernando dos Santos Lima, um dos coordenadores da Lava Jato em Curitiba, a Medida Provisória 703 - que altera a chamada Lei Anticorrupção (12.846/2013) - "é um retrocesso evidente": "infelizmente, o governo federal com a edição dessa medida provisória, introduziu um risco moral, pois, além de desincentivar o cumprimento da legislação com a mitigação da ameaça de aplicação imediata de sanções de inidoneidade, também deixou claro que não é do interesse do governo que o combate à corrupção avance sobre o sistema de poder econômico que sustenta a atividade político-partidária atual", afirma Lima", disse

Segundo o procurador regional da República Carlos Fernando dos Santos Lima, um dos coordenadores da Lava Jato em Curitiba, a Medida Provisória 703 - que altera a chamada Lei Anticorrupção (12.846/2013) - "é um retrocesso evidente": "infelizmente, o governo federal com a edição dessa medida provisória, introduziu um risco moral, pois, além de desincentivar o cumprimento da legislação com a mitigação da ameaça de aplicação imediata de sanções de inidoneidade, também deixou claro que não é do interesse do governo que o combate à corrupção avance sobre o sistema de poder econômico que sustenta a atividade político-partidária atual", afirma Lima", disse
Segundo o procurador regional da República Carlos Fernando dos Santos Lima, um dos coordenadores da Lava Jato em Curitiba, a Medida Provisória 703 - que altera a chamada Lei Anticorrupção (12.846/2013) - "é um retrocesso evidente": "infelizmente, o governo federal com a edição dessa medida provisória, introduziu um risco moral, pois, além de desincentivar o cumprimento da legislação com a mitigação da ameaça de aplicação imediata de sanções de inidoneidade, também deixou claro que não é do interesse do governo que o combate à corrupção avance sobre o sistema de poder econômico que sustenta a atividade político-partidária atual", afirma Lima", disse (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Para o procurador regional da República Carlos Fernando dos Santos Lima, um dos coordenadores da Lava Jato em Curitiba, a Medida Provisória 703 - que altera a chamada Lei Anticorrupção (12.846/2013) -, publicada no último dia 21, vai dificultar o avanço das investigações da operação. Segundo ele, o texto garante que as empresas envolvidas celebrem acordos de leniência sem revelar fatos novos e, mesmo assim, escapem de punições mais severas.

"É um retrocesso evidente. Infelizmente, o governo federal com a edição dessa medida provisória, introduziu um risco moral, pois, além de desincentivar o cumprimento da legislação com a mitigação da ameaça de aplicação imediata de sanções de inidoneidade, também deixou claro que não é do interesse do governo que o combate à corrupção avance sobre o sistema de poder econômico que sustenta a atividade político-partidária atual", disse ele, em entrevista ao Valor.

Segundo ele, "a pretensão verdadeira do governo, sob o 'non sense' de dizer que não se deve punir as empresas, mas sim os seus dirigentes apenas, é exclusivamente a de salvar o capital dos estimados financiadores das caríssimas campanhas eleitorais" (leia mais).

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247