CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
Sul

Paraná está na UTI

O Estado do Paraná atravessa grave crise financeira; a cada dia, crescem os indicativos de greve nos mais diversos setores; o governo não possui verba para reajuste de salário, já que ultrapassou o limite imposto pela LRF; a administração de Beto Richa (PSDB) havia se comprometido a desligar aproximadamente mil cargos comissionados para aliviar o orçamento, porém, até março deste ano apenas 89 pessoas haviam sido demitidas

Imagem Thumbnail
O Estado do Paraná atravessa grave crise financeira; a cada dia, crescem os indicativos de greve nos mais diversos setores; o governo não possui verba para reajuste de salário, já que ultrapassou o limite imposto pela LRF; a administração de Beto Richa (PSDB) havia se comprometido a desligar aproximadamente mil cargos comissionados para aliviar o orçamento, porém, até março deste ano apenas 89 pessoas haviam sido demitidas (Foto: Leonardo Lucena)
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

✅ Receba as notícias do Brasil 247 e da TV 247 no canal do Brasil 247 e na comunidade 247 no WhatsApp.

Erickson Ferrer, Notícias Paraná - O Estado do Paraná atravessa grave crise financeira. A cada dia que passa, crescem os indicativos de greve nos mais diversos setores; o governo não possui verba para reajuste de salário, já que ultrapassou o limite imposto pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

No ano passado, a administração de Beto Richa havia se comprometido a desligar aproximadamente 1000 cargos comissionados para aliviar o orçamento, porém, até março deste ano apenas 89 pessoas haviam sido demitidas.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Diante deste cenário catastrófico, professores e funcionários da rede estadual de ensino decidiram em assembleia realizada no último sábado (29) entrar em greve por tempo indeterminado a partir do dia 23 de abril. Entre os dias 23 e 25, a categoria acampará em frente ao Palácio Iguaçu. Entre as revindicações do professores e funcionário, destacam-se a aplicação dos 33% de hora-atividade na jornada do magistério, fim do corte do corte do auxílio transporte para afastados em licença médica, implantação de um novo sistema de atendimento a saúde do funcionalismo público e o pagamento de avanços em atraso que somam mais de R$ 100 milhões.

"Todos estamos favoráveis a greve. Agora precisamos nos organizar para construir o movimento e fazer com que o governo atenda nossas propostas", afirmou a professora Marlei Fernandes de Carvalho, presidente do Sindicato. "Caso o governo não queria a greve, que apresente uma proposta concreta que atenda nossas revindicações", completa o Professor Luis Paixão, secretário de imprensa da APP Sindicato.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

A situação se torna ainda mais caótica se lembrarmos que os trabalhadores da saúde também estão em greve; a paralisação já dura 14 dias. Em nota, o SindiSaúde alega que o governo ainda não apresentou propostas concretas para encerrar a greve. "São apenas promessas do governo, que há três anos discute o assunto sem apresentar soluções".

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

iBest: 247 é o melhor canal de política do Brasil no voto popular

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Cortes 247

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO
CONTINUA APÓS O ANÚNCIO