Paraná tem 70% das escolas sem aulas

Nas horas iniciais do primeiro dia da greve por tempo indeterminado dos professores estaduais, a adesão da categoria já demonstra a força do movimento; cerca de 1000 educadores em frente ao Palácio Iguaçu, na Praça Nossa Senhora da Salete, em Curitiba; estima-se que 70% das instituições de ensino estejam sem aulas e que em todos os colégios do estado haja pelo menos um adepto ao movimento grevista

Nas horas iniciais do primeiro dia da greve por tempo indeterminado dos professores estaduais, a adesão da categoria já demonstra a força do movimento; cerca de 1000 educadores em frente ao Palácio Iguaçu, na Praça Nossa Senhora da Salete, em Curitiba; estima-se que 70% das instituições de ensino estejam sem aulas e que em todos os colégios do estado haja pelo menos um adepto ao movimento grevista
Nas horas iniciais do primeiro dia da greve por tempo indeterminado dos professores estaduais, a adesão da categoria já demonstra a força do movimento; cerca de 1000 educadores em frente ao Palácio Iguaçu, na Praça Nossa Senhora da Salete, em Curitiba; estima-se que 70% das instituições de ensino estejam sem aulas e que em todos os colégios do estado haja pelo menos um adepto ao movimento grevista (Foto: Leonardo Lucena)

Notícias Paraná - Nas horas iniciais do primeiro dia da greve por tempo indeterminado dos professores estaduais, a adesão da categoria já demonstra a força do movimento. Cerca de 1000 educadores em frente ao Palácio Iguaçu, na Praça Nossa Senhora da Salete, em Curitiba. O local é quartel-general do comando de greve e de onde deve partir uma grande passeata da categoria na próxima terça-feira (29). "Estamos em assembleia permanente, a qualquer momento a categoria pode deliberar sobre possíveis propostas", disse a professora Marlei Fernandes de Carvalho, presidente da APP-Sindicato.

Estima-se que 70% das instituições de ensino estejam sem aulas e que em todos os colégios do estado haja pelo menos um adepto ao movimento grevista. "Temos debatido com o governo do estado há cinco anos. Há o debate, mas as mudanças não vem sendo implementadas e, muitas vezes, o que acordamos é interrompido. Esperamos tempo suficiente", ponderou Marlei.

A APP afirma que o principal motivo da greve é o descumprimento de compromissos assumidos nas negociações no fim do ano passado, entre eles a inexistência de plano de saúde para a categoria. São citados, ao todo, 13 itens de debate na pauta de reivindicações dos professores. Entre as principais revindicações estão salário, saúde e condições de trabalho, benefícios a funcionários da educação, benefícios de professores, reformulação de carreira, contratos temporários, direito a organização sindical e aspectos pedagógicos.

De qualquer forma, os professores demonstram disposição para permanecerem acampados o tempo necessário. No Colégio Estadual do Paraná (CEP), parte dos alunos organizaram uma passeata em apoio aos professores e partiram do colégio até a Praça Nossa Senhora da Salete. Por outro lado, de acordo com a Secretaria de Educação, ainda não há previsão de nova reunião com a categoria. 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247