Pimenta: a cadeia é o único lugar adequado para Dallagnol

Após a nova revelação da Vaza Jato, o deputado Paulo Pimenta (PT-RS) afirmou que o procurador "Deltan Dallagnol e sua turma são traidores que ajudaram especuladores dos Estados Unidos a arrancar bilhões de dólares do Brasil". "Só há um lugar adequado para essa quadrilha e é a cadeia!", disse

Novas revelações reforçam o interesse dos EUA na Lava Jato
Novas revelações reforçam o interesse dos EUA na Lava Jato (Foto: Esq.: Agência Câmara / Dir.: Agência Brasil)

247 - O deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS) criticou o procurador da Operação Lava Jato Deltan Dallagnol, após a revelação de que pelo menos 17 americanos estiveram em Curitiba (PR) no ano de 2015 para conversar com membros do Ministério Público Federal e advogados de empresários sob investigação no Brasil. O encontro só poderia acontecer com autorização do Ministério da Justiça, que não tinha conhecimento da reunião e na época comandado por José Eduardo Cardozo.

"Tudo que eu e @wadih_damous denunciamos desde 2016 se confirma de maneira cristalina: Deltan Dallagnol e sua turma são traidores que ajudaram especuladores dos Estados Unidos a arrancar bilhões de dólares do Brasil. Só há um lugar adequado para essa quadrilha e é a cadeia!", escreveu o parlamentar no Twitter.

A revelação feita pelo site Intercept Brasil em parceria com a Agência Pública reforça a tese de que os Estados Unidos estão por trás da maneira como da Lava Jato foi conduzida por procuradores e pelo ex-juiz Sérgio Moro, atual ministro da Justiça. O interesse americano pelo petróleo brasileiro é uma das causas da seletividade judicial na operação, para facilitar a chegada da direita ao poder e facilitar a exploração do pré-sal por empresas estrangeiras. 

Vale ressaltar que nenhum tucano foi preso por Moro, que também condenou o ex-presidente Lula sem provas para tirá-lo da eleição.

Brasil 247 lança concurso de contos sobre a quarentena do coronavírus. Participe do concurso

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247