Requião: ‘quem mandou matar Marielle ordenou a execução de Adriano’

"Quem mandou matar Marielle seguramente ordenou a execução de Adriano. Isolado em uma moradia rural na Bahia, cercado por número razoável de policiais, não foi morto em confronto, seguramente foi executado", escreveu o ex-senador Roberto Requião (MDB-PR) no Twitter

(Foto: Esq.: Ag. Senado / Dir.: Mídia Ninja)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-senador Roberto Requião (MDB-PR) apontou "queima de arquivo" na morte do miliciano Adriano Nóbrega da Silva. O parlamentar sugeriu que o ex-capitão do Bope, morto em troca de tiros com a polícia na Bahia, tinha informações importantes sobre o assassinato da ex-vereadora Marielle Franco (PSOL).

"Quem mandou matar Marielle seguramente ordenou a execução de Adriano. Isolado em uma moradia rural na Bahia, cercado por número razoável de policiais, não foi morto em confronto, seguramente foi executado", escreveu o ex-senador no Twitter.

Ligado ao clã Bolsonaro, o ex-policial integrava o Escritório do Crime grupo de matadores profissionais do Rio. Marielle foi alvejada em março de 2018 pelo crime organizado. Os atiradores efetuaram os disparos em um lugar sem câmeras e haviam perseguido o carro dela por cerca de três, quatroi quilômetros. 

Parentes do ex-capitão trabalharam no gabinete do atual senador FLávio Bolsonaro quando o parlamentar era deputado estadual. O congressista também fez homenagens ao miliciano, também classificado por Jair Bolsonaro como um "brilhante oficial". 

 

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247