Vaccari pede absolvição de ação da Lava Jato

Em petição à acusação apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF) no início de setembro, o criminalista Luiz Flávio Borges D'Urso defende que não há nenhuma prova da participação do ex-tesoureiro do PT João Vacari Neto no esquema de arrecadação de propinas em contratos da Petrobras; D'Urso disse que as acusações estão sendo fundamentadas "apenas" na delação do operador Milton Pascowitch; "A própria acusação não consegue definir por quantas vezes supostamente o acusado teria praticado corrupção passiva", exemplificou o criminalista 

Em petição à acusação apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF) no início de setembro, o criminalista Luiz Flávio Borges D'Urso defende que não há nenhuma prova da participação do ex-tesoureiro do PT João Vacari Neto no esquema de arrecadação de propinas em contratos da Petrobras; D'Urso disse que as acusações estão sendo fundamentadas "apenas" na delação do operador Milton Pascowitch; "A própria acusação não consegue definir por quantas vezes supostamente o acusado teria praticado corrupção passiva", exemplificou o criminalista 
Em petição à acusação apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF) no início de setembro, o criminalista Luiz Flávio Borges D'Urso defende que não há nenhuma prova da participação do ex-tesoureiro do PT João Vacari Neto no esquema de arrecadação de propinas em contratos da Petrobras; D'Urso disse que as acusações estão sendo fundamentadas "apenas" na delação do operador Milton Pascowitch; "A própria acusação não consegue definir por quantas vezes supostamente o acusado teria praticado corrupção passiva", exemplificou o criminalista  (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Paraná 247 - A defesa do ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto pediu a absolvição primária da ação em que Vaccari é acusado de receber propina desviada pela Engevix de contratos da Petrobras.

Em petição à acusação apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF) no início de setembro, o criminalista Luiz Flávio Borges D'Urso defende que não há nenhuma prova da participação de Vacari no esquema. D'Urso disse que as acusações estão sendo fundamentadas "apenas" na delação do operador Milton Pascowitch.

"A própria acusação não consegue definir por quantas vezes supostamente o acusado teria praticado corrupção passiva", exemplificou o criminalista em defesa do petista.

A denúncia foi aceita pelo juiz Sérgio Moro na segunda semana de setembro e transformou Vaccari, Dirceu e outros 13 envolvidos em réus na Lava-Jato. Na semana passada, o ex-tesoureiro foi condenado a 15 anos e quatro meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro na ação que investiga outras irregularidades em contratos assinados pela Diretoria de Serviços da Petrobras.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247