Coronavírus produz tentáculos fibrosos nas células, que minam o sistema imunológico

O estudo realizado por uma equipe internacional de cientistas, concluiu também que a descoberta sugere que alguns medicamentos usados contra o câncer poderiam ser usados para tratar a COVID-19

(Foto: Sputnik)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik – O coronavírus faz com que as células infectadas desenvolvam tentáculos fibrosos, uma estrutura muito incomum, que lhe permite atacar várias células ao mesmo tempo, segundo estudo.

Após ser infectada, a célula produz tentáculos de múltiplas pontas cravejadas de partículas virais. Essas células "zumbis" parecem estar usando esses filamentos para alcançar células vizinhas ainda saudáveis.

"Há longas cadeias que fazem buracos em outras células e o vírus passa através do tubo de uma célula para outra", explica à Financial Times Nevan Krogan, diretor do Instituto de Biociências Quantitativas da Universidade da Califórnia em São Francisco.

"Nossa hipótese é que isso acelera a infecção", observou o professor, que qualifica os tentáculos como "desagradáveis e sinistros".

O estudo realizado por uma equipe internacional de cientistas, concluiu também que a descoberta sugere que alguns medicamentos usados contra o câncer poderiam ser usados para tratar a COVID-19.

Krogan indica que o Sars-Cov-2, assim como o câncer e o HIV, busca o "calcanhar de Aquiles da célula".

Neste sentido, a descoberta fez com que os pesquisadores sugerissem que uma série de medicamentos desenvolvidos para tratar o câncer poderiam ser utilizados contra a COVID-19.

Segundo os cientistas, cinco substâncias usadas no tratamento do câncer (silmitasertib, Xospata, também conhecido como gilteritinib, bem como o abemaciclib, ralimetinib e dasatinib) podem ser mais eficazes contra a COVID-19 que o remdesivir, remédio antiviral que já é usado na terapia da doença.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247