Cresce número de derrames ligados a aneurisma, aponta estudo com 40 mil pacientes

Hipertensão e tabagismo são fatores de risco para o problema. Alta na taxa ocorreu principalmente entre homens negros acima de 65 anos

www.brasil247.com -
(Foto: Divulgação)


Por Gabriela Cupani, da Agência Einstein - Os registros de um tipo de acidente vascular cerebral (AVC), a hemorragia subaracnóide, aumentaram, principalmente, em homens negros acima de 65 anos, segundo um estudo que acaba de ser publicado na "Neurology". O trabalho avaliou dados de quase 40 mil pacientes americanos hospitalizados na Flórida e em Nova York entre 2007 e 2017, além de ter comparado os casos entre homens e mulheres, por faixa etária e etnia. 

Esse tipo de AVC ocorre principalmente pela ruptura de um aneurisma – quando um vaso se dilata formando uma espécie de bolsa de sangue – localizado entre o cérebro e a membrana que o reveste. Hipertensão e tabagismo estão entre os principais fatores de risco para essa ruptura.

Durante os dez anos de acompanhamento da pesquisa, a incidência média foi de 11 casos por cem mil pessoas. Acima dos 65 anos, esse número duplica. E em negros, sobe para 15. Segundo os autores, eles são mais propensos a desenvolver hipertensão, e em idade mais jovem. 

"Sabe-se que eles têm fatores genéticos e socioeconômicos que podem deixá-los mais vulneráveis", diz a neurologista Polyana Piza, do Hospital Israelita Albert Einstein. O artigo sugere dificuldades de acesso a cuidados e tratamentos que acabam aumentando a chance de um AVC.

"É um estudo coorte, retrospectivo, bem desenhado que como tal se propõe a observar por um período de tempo uma população específica e, a partir dessa observação, analisar possíveis associações. Mesmo mostrando uma realidade de dois estados americanos, é possível extrapolar os dados para nossa realidade", avalia a especialista. 

"O resultado pode ser um reflexo da não prevenção, detecção, tratamento e acompanhamento dos fatores de risco a que o indivíduo é exposto. Precisamos discutir a dificuldade de ter esses fatores monitorados e controlados", pondera ela. 

Baixo risco de ruptura

De modo geral, os aneurismas não rotos, chamados incidentais, apresentam baixo risco de sangramento, em torno de 1%. 

Nesse contexto, podem ser apenas acompanhados com o monitoramento dos fatores de risco para sua ruptura e a observação de possíveis mudanças em suas características físicas como, por exemplo, crescimento e irregularidade do seu contorno. 

O tratamento invasivo cirúrgico ou endovascular é recomendado principalmente para aqueles aneurismas maiores do que 5 a 7 milímetros. No entanto, quando se rompem, a chance de morte ou de sequelas graves é muito alta.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email