Diabetes gestacional: como descobrir e tratar a doença

Diagnóstico precoce ajuda no controle da doença e reduz complicações para mãe e bebê

www.brasil247.com -
(Foto: Reprodução/TV Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News

Por Priscila Carvalho, da Agência Einstein - Gestantes têm um risco aumentado de desenvolver diabetes. A culpa é dos hormônios produzidos no período, como o lactoplacentário, secretado pela placenta, que favorecem uma resistência do organismo à insulina – hormônio que ajuda as células a usarem o açúcar (glicose) como fonte de energia.

A placenta, para garantir que essa glicose também chegue ao bebê em formação, favorece a resistência à insulina, fazendo com que o pâncreas da mãe produza mais deste hormônio. Embora não sejam todas as mulheres que vão desenvolver a doença durante a gravidez, o diabetes gestacional é identificado em 7,6% delas, segundo dados de prevalência da doença no Sistema Único de Saúde (SUS)

Mulheres com sobrepeso ou obesidade e em uma gestação considerada “tardia” devem ficar mais atentas, já que se encaixam em um grupo de risco para a condição. 

PUBLICIDADE

Como descobrir o diabetes gestacional

Para identificar a doença precocemente e manter o controle, as gestantes devem testar a glicemia (açúcar em circulação no sangue) em jejum no primeiro trimestre, e também ao longo do período. 

Os valores de referência para as grávidas são diferentes dos tradicionais. No exame da glicemia em jejum, por exemplo, até 92 mg/dL é considerado normal em uma gestante. De 93 mg/dL a 126 mg/dL indica uma possível diabetes gestacional. 

Acima de 126 mg/dL, provavelmente a doença se desenvolveu antes do período, segundo Bruna Cavalcante, ginecologista pela Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) e especialista em reprodução assistida pelo Hospital das Clínicas de São Paulo. “Se no primeiro trimestre está acima de 126, já é considerada uma diabete mellitus prévia, que é diferente da gestacional”, detalha. 

PUBLICIDADE

Ainda que o primeiro exame tenha apresentado resultados normais, é importante que a gestante avalie novamente na 24ª e na 28ª semana. Nesses casos, recomenda-se o teste de tolerância oral à glicose, também chamado de curva glicêmica, que mede os níveis de açúcar estando em jejum ou não. 

Diabetes após a gestação

A tendência é que, passada a gestação, o diabetes também desapareça, mas uma parte das mulheres pode manter o quadro, segundo explica Andressa Heimbecher, endocrinologista membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia e doutora pela USP. 

“Nem toda gestante com diabetes gestacional vai se tornar diabética após a gestação, porém 25% das pacientes nessa condição continuam com intolerância glicêmica. Para saber como irão ficar os controles de glicose, é essencial fazer o acompanhamento no pós-parto”, ressalta. 

PUBLICIDADE

Sintomas de alerta

Além dos exames, alguns sintomas devem chamar atenção da gestante para o diagnóstico de diabetes. São eles:

  • Aumento na sensação de sede;
  • Muita vontade de urinar;
  • Cansaço;
  • Visão turva;
  • Infecções urinárias frequentes.

Riscos ao bebê e para mãe

Se receber grandes quantidades de glicose, o bebê pode nascer muito acima do peso, o que aumenta o risco de complicações no parto, além do surgimento de hipoglicemia neonatal e do desenvolvimento de obesidade na idade adulta. A doença pode provocar ainda um parto prematuro e icterícia (pele amarelada) no bebê.

Para gestante, uma vez feito o diagnóstico, há um risco maior de também desenvolver a doença nas próximas gestações e de que a condição evolua para diabetes tipo 2 nos anos seguintes.

PUBLICIDADE

Tratamento e prevenção

A principal medida para tratar, e prevenir, o diabetes gestacional é mudar os hábitos de alimentação e exercícios físicos. “Na medida em que a gestação permitir, a atividade física deve ser estimulada, pois é importante para regular os níveis de açúcar no sangue. As gestantes que não apresentam controle adequado da glicemia com dieta e atividade física necessitarão receber insulina, que é segura e oferece bom resultado no controle”, explica a endocrinologista Andressa Heimbecher.

Medicamentos que controlem a glicemia, como a metformina, podem ser usados, especialmente se a paciente já tiver o diagnóstico de diabetes antes de descoberta a gravidez. Mas não se trata da primeira escolha de tratamento.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email