Estudo mostra que concentração de células anormais está relacionada à causa de distúrbios cerebrais

Resultados podem contribuir para o desenvolvimento de medicamentos para essas doenças

(Foto: Divulgação)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Tiago Varella, da Agência Einstein - Descobertas de uma pesquisa da Case Western Reserve University (Estados Unidos) revelam indícios de como proteínas tóxicas se agrupam e se espalham entre as células nervosas do cérebro. O estudo, publicado na Nature Communications, analisou a estrutura das fibrilas amiloides ligadas a doenças neurodegenerativas. 

"Essas doenças cerebrais devastadoras estão aumentando em todo o mundo e ainda não há tratamentos eficazes para interromper sua progressão. O conhecimento detalhado sobre as estruturas fibrilares pode levar ao desenvolvimento de medicamentos para tratar esses distúrbios cerebrais”, esclarece Witold Surewicz, autor do estudo. 

Geralmente, a proteína solúvel TDP-43 interage com os ácidos nucléicos. No entanto, em vários distúrbios neurodegenerativos, essa proteína forma aglomerados grandes e prejudiciais em forma de corda que se acumulam no cérebro de pacientes afetados. O TDP-43 é o principal conjunto proteico disforme observado nos casos de demência frontotemporal (DFT), considerada a segunda doença degenerativa cerebral mais comum em pessoas entre 50 e 60 anos, e esclerose lateral amiotrófica (ELA), distúrbio do sistema nervoso que enfraquece os músculos e acarreta paralisia motora progressiva. 

Estruturas fibrilares semelhantes a TDP-43 também estão associadas a outras disfunções cerebrais, como doença de Alzheimer e encefalopatia traumática crônica, causada por lesões cerebrais repetidas e frequentemente encontrada em atletas de esportes em que há pancadas na cabeça.

Com o uso de uma técnica de microscopia eletrônica, os cientistas analisaram a estrutura da fibrila e como ela poderia ser controlada por aminoácidos em TDP-43 ligados a características hereditárias de DFT e ELA, além das modificações relacionadas ao envelhecimento das proteínas. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email