O caminho do sangue no processo de doação

Todo o processo tem duração média de uma hora, que começa a ser contada com cadastro do doador e termina com a retirada da agulha do braço e uma bolsa cheia do tecido líquido vermelho que pode salvar três vidas

Processo de doação de sangue
Processo de doação de sangue (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Cristiane Bomfim, da Agência Einstein - O isolamento social, ação importante para evitar a rápida disseminação do novo coronavírus impactou na redução do número de doações de sangue. Bancos de sangue estão com estoques baixos. Mas, realizar o ato que pode salvar até três vidas é rápido e não oferece riscos, desde que o doador mantenha os cuidados para evitar o contágio no percurso entre sua casa e o local da doação e esteja atento aos requisitos (como idade e peso por exemplo) e impeditivos temporários e permanentes. 

Todo o processo tem duração média de uma hora, que começa a ser contada com cadastro do doador e termina com a retirada da agulha do braço e uma bolsa cheia do tecido líquido vermelho (sim, o sangue é um tecido!) que pode salvar três vidas. Mas este é só o começo do percurso que o sangue faz até chegar a quem precisa. 

Ao final da doação, amostras de sangue do doador são enviados aos laboratórios onde passa por testes para identificação do tipo sanguíneo (A, B, AB ou O) e fator Rh (positivo ou negativo) e de agentes infecciosos que podem ser transmitidos por uma transfusão. “Estes testes, conhecidos como testes de triagem sorológica verificam a presença de agentes como o vírus HIV, vírus das hepatites B e C, sífilis, doença de Chagas e vírus HTLV I e II”, explica Araci Massami Sakashita, coordenadora do Banco de Sangue do Hospital Israelita Albert Einstein.

Enquanto as amostras passam pelos testes, a bolsa de sangue é submetida ao processo de fracionamento que utiliza uma centrífuga para separar três componentes do sangue: as hemácias, as plaquetas e o plasma. Estes hemocomponentes são separados em bolsas distintas que ficam armazenadas (em quarentena) aguardando os resultados dos exames laboratoriais. “O tempo aproximado de preparo do sangue é de 4 horas, enquanto os resultados dos testes laboratoriais são liberados cerca de 24 horas após a doação”, diz Araci. 

O sangue só é liberado para transfusão após o resultado negativo dos testes sorológicos. As bolsas são preparadas, identificadas e destinadas a quem precisa, de acordo com tipo sanguíneo e fator Rh. 

Validade dos hemocomponentes fracionados

A coordenadora do Banco de Sangue do Einstein explica que os hemocomponentes têm prazo de validade. As hemácias, usadas para tratar anemia, podem durar até 42 dependendo da solução preservante utilizada. As plaquetas (usadas para estancar ou evitar sangramentos) não duram mais do que cinco dias. Já o plasma pode ser armazenado por até um ano. “O plasma tem fatores de coagulação, mas está sendo cada vez menos usado porque já há produtos industrializados com a mesma função”, explica a médica. 

Frequência de doação

O sangue não tem substituto e, todos os dias, milhares de pessoas precisam de transfusão para continuarem vivas. Por este motivo e pelo tempo de validade dos hemocomponentes, a doação voluntária e altruísta é uma necessidade constante para atender adequadamente os pacientes que necessitam de transfusão. A doação de sangue pode ser feita a cada quatro meses por mulheres e a cada três meses pelos homens e pode salvar até três vidas.

Fluxograma-doação-sangue

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247